sábado, 16 de julho de 2016

Guiné 63/74 - P16310: Carta aberta a... (13): ...ao Senhor Presidente da Republica Portuguesa e Comandante Supremo das Forças Armadas (José Martins, ex-Fur Mil TRMS da CCAÇ 5)

Cemitério Militar de Bissau


1. Em mensagem do dia 14 de Julho de 2016, o nosso camarada José Marcelino Martins (ex-Fur Mil Trms da CCAÇ 5, Gatos Pretos, Canjadude, 1968/70), enviou-nos uma Carta Aberta dirigida ao Presidente da República Portuguesa e Comandante Supremo das Forças Armadas, a propósito da sua próxima deslocação à Guiné-Bissau.



CARTA ABERTA

14 de Julho de 2016

Senhor Presidente da Republica Portuguesa e Comandante Supremo das Forças Armadas 

Excelência 

Tomei conhecimento, pela comunicação social, que V. Exª em breve visitará a Republica da Guiné-Bissau que, antes de se tornar independente e reconhecida como tal, foi palco de vastas operações militares, onde tombaram soldados Metropolitanos e Africanos, julgando defender o Território Nacional, honrando o Juramento feito perante a Bandeira Nacional. 

Como antigo combatente naquele território, numa Companhia de Caçadores Africanos, encarecidamente lhe peço, e agradeço que, ao contrário do que os seus antecessores, no mesmo cargo fizeram, não deixe de colocar uma coroa de flores no Cemitério Militar de Bissau, em nome de todos os Combatentes de Portugal, que não o podem fazer pessoalmente, não só por razões materiais mas também económicas.

Nesse momento, quando colocar a coroa e se curvar perante a memória dos nossos camaradas tombados para sempre, terá, obrigatoriamente, centenas de combatentes, ainda que à distância, ao seu lado, perfilados e em continência.

Atentamente 
José Martins 
Fur. Mil. Trms. Inf. 
C.Caç 5 – Canjadude
____________

Nota do editor

Último poste da série de 19 de março de 2015 > Guiné 63/74 - P14388: Carta aberta a... (12): ...aos meus netos, neste Dia do Pai (José Martins)

Guiné 63/74 - P16309: Controvérsias (131): Blindados do PAIGC ? Quem os viu de ver e não de ouvir ?... (António Martins de Matos, ex-tenente pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74, hoje ten gen pilav ref)

1. Mensagem de António Martins de Matos  [ex-tenente pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74, hoje ten gen pilav ref; membro da nossa Tabanca Grande]

Data: 10 de julho de 2016 às 16:03
Assunto: Blindados

Caro amigo:

Vi ontem no canal Memória da RTP a repetição de um episódio do Joaquim Furtado, onde refere a cerimónia da "Independência da Guiné", ocorrida na área libertada do Boé (dizem eles), no Boé da vizinha Guiné-Conacri (digo eu).

Nesse filme aparecem 2 viaturas de transporte de pessoal acompanhando o desfile das forças em parada.

Farto das conversas sobre Migs, (que sim, que não, que talvez…) e porque penso que, até agora, nunca se falou sobre a estória dos blindados PAIGC, talvez seja a altura de abordar o assunto.

Para inicio do tema, já sabemos que "alguém" lhes deu o diesel e um outro "alguém" lhes forneceu os mapas, (tudo pessoal amigo), aqui deixo o repto.

Blindados PAIGC:

Desde quando? Que tipo? Armados? Só para transporte de pessoal?

Empregues onde?

Quem os viu em operações? VIU DE VER e não de ouvir, que ruídos na noite... propagam-se facilmente (moro a 6 quilómetros do aeroporto de Lisboa e, de noite, oiço o C-130 da FAP a pôr em marcha)

Abraços
AMM


2. Comentário do editor:

António, obrigado pela tua sugestão. Boa sugestão de verão, em que é preciso continuar a alimentar o blogue, apesar da modorra e preguicite aguda que nos dá nesta estação do ano...

Na realidade, pouco se tem escrito, aqui,  sobre as tais viaturas blindadas do PAIGC.  Há uma ou outra referência.  Tudo indica que o PAIGC já as tivesse, no final da guerra, estacionadas do outro lado da fronteira (na Guiné-Conacri)... Teria uma ou a outra à experiência, e para "tuga ver" ou "sueco ver".... O problema devia ser a falta de unhas para as conduzir e manobrar... Terão sido usadas (mal) contra Copá (em 7/1/1974) e em Bedanda (em 31/3/1974).n Em Copá custou a vida aio comandante das forças atacantes, Mamadu Cassambá.

O alf mil António Graça de Abreu e o asp mil Miguel 
Champalimaud,  do CAOP1,  em janeiro de 1974, 
no aeroporto de Cufar.  Foto de A, Graça de Abreu (2012)
Uma dessas referências, às famosas viaturas blindadas do PAIGC,  é do nosso amigo e camarada (e grã-tabanqueiro de longa data) António Graça de Abreu, ex-al mil,  CAOP 1 (Teixeira Pinto, Mansoa e Cufar, 1972/74).

Ele estava perto, em Cufar, quando Bedanda foi atacada, em 31 de março de 1974,  com morteiros 120 mm, foguetões 122 mm, RPG2 e RPG7, armas automáticas e outras armas pesadas em duas viaturas blindadas do tipo autometralhadora:


(...) Cufar, 3 de Abril de 1974

A guerra está feia. Bedanda embrulhou durante todo o dia, um ataque tremendo, doze horas consecutivas de fogo. A festa só acabou à noite com uma espécie de cerco à povoação levado a cabo pelos homens do PAIGC.

Em Cufar, tão próximo, além de distinguirmos nitidamente as rajadas de metralhadora de mistura com os rebentamentos dos RPG, foguetões e canhão, à noite viam-se as balas tracejantes e as explosões no ar.

Uma novidade, os guerrilheiros utilizaram viaturas blindadas na flagelação a Bedanda. Existe uma estrada que vem da Guiné-Conacry, passa junto a Guileje – abandonada pela tropa portuguesa, – entra pela região do Cantanhez e termina em Bedanda. O IN está a utilizar esse percurso para deslocar camiões carregados com todo o tipo de armamento, em seguida é só despejar sobre os aquartelamentos portugueses mais expostos e fáceis de alcançar, como Chugué, Caboxanque, Cobumba, Bedanda, Cadique e Jemberém.

Bedanda é uma povoação grande, a maior do sul da Guiné depois de Catió. Terá uns cinco mil habitantes e ontem já se falava em abandonar o aquartelamento. A população africana saiu da vila, ficando por próximo.

Bedanda levou com mais de sessenta foguetões e centenas e centenas de granadas de RPG, morteiro e canhão sem recuo. Foi medonho, há muita coisa destruída, mas tiveram sorte, contam-se apenas dois feridos, um furriel e um negro que levou um tiro nas costas. A tropa passou mais de doze horas metida nas valas.

Espera-se novo ataque a Bedanda. As NT já foram remuniciadas e há promessa de se enviarem mais militares para defender a terra. Os guerrilheiros também devem ter ido descansar e reabastecer-se.

Todas estas flagelações, apesar de serem destinadas aos vizinhos do lado, deixam marcas em todos nós. São horas, dias, meses a ouvir continuamente o atroar dos canhões da guerra. Eu ando um bocado desconexo, excitado, “apanhado”. Quase não tenho dormido, são as sensações finais, o cansaço, o desamor à mistura com o alvoroço do regresso a casa. (...)

Fonte: António Graça de Abreu, Diário da Guiné: Lama, Sangue e Água Pura. Lisboa: Guerra & Paz Editores, 2007,  p.  220. (**) [Imagem da capa do livro, à direita]


Há um comentário ao Poste P9375 (*) do nosso leitor António Rodrigues (, de Vila Real, e que se apresenta como alferes mil, colocado em Bedanda naquela altura, e a quem convidadamos para "dar a cara" e um dia destes se sentar aqui connosco, à sombra do poilão da Tabanca Grande):

Caros camaradas: Estava colocado em Bedanda aquando do ataque com viaturas blindadas, onde era alferes miliciano. As viaturas com que fomos atacados eram as BTR 152 (soviéticas), equipadas com metralhadoras. A sua quase entrada no perímetro deveu-se ao facto de elas terem atacado a partir da zona onde se situavam as tabancas da população civil e isso impedir que quer as "bazookas" quer os canhões sem recuo [tenham ripostado]. Abraços, António Rodrigues.


Outro António Rodrigues, mas, esse, nosso grã-tabanqueiro, registado, e um dos bravos de Copá, ex-sold cond auto da 1ª CCAV / BCAV 8323 ( Bolama, Pirada, Paunca, Sissaucunda, Bajocunda, Copá e Buruntuma, 1973/74), autor da notável série "Memórias de Copá" (de que se publicaram pelo menos 6 postes), escreveu aqui o seguinte (**)

(...) Ora nós em Copá, no dia 7 para 8 de Janeiro de 74, enfrentámos o assalto do PAIGC ao nosso aquartelamento, precisamente com dois blindados, um dos quais chegou a entrar dentro do aquartelamento e nós na altura, só com 27 homens (bazucas uma) e muita sorte, lá os conseguimos repelir.

(...) Soube recentemente, através de uma pessoa que se deslocou à Guiné e a Copá e falou com os guerrilheiros da altura, que lhe disseram que, durante os combates na noite de 7 para 8 de Janeiro de 74, com carros de combate do PAIGC, lhes matamos o comandante que os comandava nessa noite. E a minha conclusão é que esta foi mais uma razão para eles retirarem ao fim de 01,10 horas e assim termos escapado a uma quase eminente captura. (...) .


Ramón Pérez Cabrera, em "La historia cubana en África: 1963-1991: pilares del socialismo en Cuba" (edição de 2005), tem um capítulo sobre a guerra na Guiné (pp. 135-184) e a participação  dos "internacionalistas" cubanos.

A Op Abel Djassi [, nome de guerra de Amílcar Cabral], na sua 2ª fase (época seca de 1973/74) é descrita com detalhe: o início da operação começa justamente a 3/1/1974, com  a ofensiva contra Copá, por intermédio de forças de infantaria e artilharia, "apoiadas por quatro blindados (...) BTR".

O comandante das FARP era Mamadu Cassamba que, "tripulando um dos BTR, penetrou temerariamente na instalação militar"... Teve o azar do seu BTR  acionar uma mina A/C que lhe causou a morte instantânea. As forças do PAIGC conseguiram resgatar o veículo e, dentro dele, o cadáver do seu comandante.

Uma das raras fotos de viaturas blindadas, alegadamente ao
ao serviço do PAIGC no final da guerra. Foto (pormenor) do
Arquivo Mário Pino de Andrade / Casa Comum /
Fundação Mário «Soares. Clicar aqui para ver o original.
  

Face a esta grande contrariedade, o comandante da Frente Leste, Paulo Correia, mandou suspender os assaltos com a infantaria, continuando com as flagelações da artilharia, durante todo o mês de janeiro, até que as NT, como é sabido, abandonam Copá em 12/13 de fevereiro  de 1974, por ordem do Com-Chefe.

Nesta 2ª fase da Op Djassi (a primeira tem a ver como os três G - Guidaje, Guileje e Gadamael, maio / junho de 1973, ainda no tempo do Spínola), Ramon Pérez Cabrera diz que participaram "14 internacionalistas cubanos", um dos quais, um jovem oficial que tinha partido de Cuba por via aérea em 13/12/1973, e que vai  encontrar a morte nas imediações de Copá (ou de Canquelifá ?),  às 8 da manhã do dia 8 (ou 7 ?) de janeiro de 1974, surpreendido por tropas portuguesas.

O seu corpo terá do  "levado para Buruntuma", mutilado e exumado, diz Ramón Pérez Cabrera.   [Tratar-se-ia, quanto a nós,  da mesma emboscada em que terá sido apanhado vivo, o caboverdiano Jaime Mota, 1940-1974, alegadamente executado depois. Ramón Maestre Infante terá sido o último dos 9 internacionalistas cubanos a morrer na "guerra de liberación" da Guiné-Bissau. Enfim, mais um caso para alimentar a nossa série Controvérsias (***)], e o nosso Jorge Araújo vai, por certo, querer explorar, ele que agora tem em mãos o "dossiê médicos cubanos"..


Excerto de: Ramón Pérez Caberra - "La historia cubana en África: 1963-1991: pilares del socialismo en Cuba" (edição de 2005), p. 1979 [Com a devida vénia...Sublinhados nossos]  [Extensas partes do livro podem ser consultadas, em modo de pré-visualização, no portal da Kilibro]
______________

Notas do editor:

(*) 20 de janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9375: Excertos do Diário do António Graça de Abreu (CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74) (5): ): "Uma novidade, os guerrilheiros utilizaram viaturas blindadas na flagelação a Bedanda [, em 31 de março de 1974]"...

(**) 23 de novembro de 2010 > Guiné 63/74 – P7320: Controvérsias (111): Copá: Quero aqui repor a verdade dos factos! (António Rodrigues, ex-Soldado Condutor Auto do BCAV 8323)

Vd. também postes de:

4 de novembro de 2015 > Guiné 63/74 - P15327: Louvores e condecorações (10): Os bravos Copá, da 1ª C/BCAV 8323/73, que resistiram durante mais de um mês ao cerco do PAIGC

7 de janeiro de 2015 > Guiné 63/74 - P14128: Memórias de Copá (3): Janeiro de 1974 (António Rodrigues, ex-sold cond auto, 1ª CCAV / BCAV 8323, Bolama, Pirada, Paunca, Sissaucunda, Bajocunda, Copá e Buruntuma, 11973/74)

(...) 7 de janeiro de 1974: o dia mais infernal por que já passei

(...) Novo ataque às 23h50 junto ao arame farpado, com apoio de viatura blindadas e artilharia... Mas Copá resistiu!

E as viaturas encaminhavam-se a toda a força na direcção de Copá e cerca das 23 horas e 50 minutos tudo parou e o ruído deixou de se ouvir, (a falta de iluminação facilitou-lhes as manobras e a instalação à vontade de todo o seu dispositivo) e ficamos na expectativa à espera de mais um momento terrível daquela noite e o meu pressentimento veio a concretizar-se, era exactamente meia noite e dez minutos quando se ouviu o já típico rebentamento que dava início aos ataques do inimigo.
Aí teve início mais uma hora e cinco minutos horrorosos, infernais e terríveis de enfrentar, aí o inimigo estava 10 metros à nossa frente e trazia uma táctica que estava muito bem montada, tinha junto ao arame farpado 3 secções, separadas alguns metros, o que lhe permitiu fazer fogo de armas ligeiras ininterruptamente durante 1 hora e 5 minutos, porque o fazia por secções e quando uma estivesse sem munições a outra estava já preparada para disparar e assim sucessivamente, mas para além destas secções de homens armados de metralhadoras tinham um auto-blindado (tipo ZIG Russo) junto a uma das secções a apoiá-la com os disparos do seu canhão e na retaguarda destas secções tinham toda a artilharia com que nos tinham atacado durante a tarde, esta encontrava-se a cerca de 1 Km também apoiada por outro auto-blindado do mesmo tipo. (...)

(***) Último poste da série > 8 de março de  2016 > Guiné 63/74 - P15832: Controvérsias (130): O "nosso Cabo Miliciano", que em 1965 ganhava 90 escudos de pré (34,24 euros, hoje), fazendo o serviço de sargento... (Mário Gaspar)

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Guiné 63/74 - P16308: Notas de leitura (859): “Costa Gomes Sobre Portugal, Diálogos com Alexandre Manuel”, editado por A Regra do Jogo, 1979 (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 12 de Agosto de 2015:

Queridos amigos,
Este foi o primeiro livro em que o marechal Costa Gomes deu a cara a um entrevistador, falando da génese do MFA, da evolução da guerra colonial, dos acontecimentos da descolonização e de todas as vicissitudes maiores à volta dos 21 meses em que permaneceu em Belém. Continua por merecer um cabal esclarecimento quais as consequências que as instâncias superiores da hierarquia militar previam para a retração da manobra na Guiné, no fundo estava-se a aprovar uma retração também com consequências bem dramáticas para todas as populações que viviam na orla das duas fronteiras. Mas o que fica bem claro nesta documentação é que se diz sem ambiguidades que se vivia já numa completa exaustão de meios e recursos, não era possível, no curto prazo, responder à superioridade em armamento do PAIGC. Trata-se de um episódio que acompanha a agonia do regime e é explorado pelo descontentamento militar. Por isso mesmo, merecia ser estudado por peritos competentes sobre o que era a Guiné em 1973 perante o poder ofensivo do PAIGC.

Um abraço do
Mário


O Marechal Costa Gomes, a Guiné e a descolonização

Beja Santos

O livro “Costa Gomes Sobre Portugal, Diálogos com Alexandre Manuel”, A Regra do Jogo, 1979, foi a primeira obra que o ex-Presidente da República decidiu dar a cara para falar da criação do MFA, do colonialismo e da descolonização e dos seus 21 meses em Belém. A obra anexa, entre outros documentos, o texto sobre a situação militar na Guiné em 1973 e a tomada de posição de Costa Gomes no Conselho Nacional de Defesa.

Não vendo razão para se voltar aos dados biográficos do Marechal, vale a pena entrar diretamente nas questões coloniais e ouvi-lo falar dos acontecimentos associados à guerra da Guiné.

Começa o jornalista por perguntar-lhe se tentou negociar com Amílcar Cabral uma solução de compromisso, ao que ele responde: “Não tentei qualquer espécie de negociação com Amílcar Cabral. Fiz apenas alguns esforços para entrar em diálogo com ele, depois que, após uma visita à Guiné, tomei consciência da efervescência existente entre a população local. Avisei, então, o Governador de que algo de grave poderia acontecer de um momento para o outro, caso não fossem tomadas medidas apropriadas. Só posteriormente tentei entrar em contacto com o Engenheiro Amílcar Cabral". Questionado sobre a quem recorrer, também informou: “Amílcar Cabral tinha a mãe em Bissau. Foi através da mãe e do então encarregado do plano de construção de casas na periferia da Guiné com o Senegal que entrou em contacto com ele”. E confessa que as diligências não surtiram efeito.

Os acontecimentos de 1973 na Guiné foram diretamente acompanhados por Costa Gomes e transmitidos ao decisor político, em sede própria.

Em 22 de Maio, Spínola escreve a Silva Cunha uma carta alarmante: “Aproximamo-nos, cada vez mais, da contingência do colapso militar”. No seu todo, a carta tem um teor lancinante. Depois de referir o “súbito agravamento da situação militar” e a sua “constante deterioração” a um ritmo de consequências muito graves, Spínola não deixa de aludir que a solução do problema estava de longe de situar no campo militar, “onde o In manterá sempre a supremacia em potencial de guerra”, mostrava-se também altamente preocupado “pelo rumo que o problema vai tomando”.

Poucos dias depois (26 de Maio), “face ao momento muito crítico”, perante a ofensiva geral em que o PAIGC se apresentava “forte em todas as frentes”, Spínola considerava indispensável que os chefes militares evitassem, por todas as formas, “segundas Índias e consequente desprestígio das Forças Armadas”.

A correspondência entre Spínola e Costa Gomes assume também tons patéticos. O Governador e Comandante-Chefe regressado de uma visita a Gadamael-Porto e Cacine, insistia, uma vez mais, no estado “confrangedor” de “desmoralização da parte dos quadros e tropa de linha”.

Na véspera, Lisboa tinha sido informada do “bombardeamento maciço” de que havia sido alvo Gadamael-Porto, designadamente o quartel.

Costa Gomes desloca-se à Guiné e confirma a opinião do Comandante-Chefe. Regressa a Lisboa e convoca de urgência uma reunião do denominado Conselho Nacional de Defesa e sobre a situação da Guiné faz com que fique exarado em ata:
“O desenvolvimento da manobra em curso com base na manutenção do atual dispositivo só seria possível mediante a disponibilidade de volumosos meios adicionais que permitissem o reforço adequado das guarnições de fronteira e o oportuno empenhamento e recuperação de reservas em ordem a equilibrar o potencial nos pontos sobre maior pressão do In. Todavia, o teatro de operações não poderá contar com reforços adequados de meios, por absoluta impossibilidade de os fornecer atualmente; e em tais condições, a conservação da iniciativa e da liberdade de ação indispensáveis à defesa da soberania nacional no teatro de operações só é possível à custa de uma conversão da manobra, modificando o dispositivo em ordem à economia de meios por concentração de forças, a que por tal forma seria conferido um maior dinamismo e mais ampla capacidade de reação”.
Continuando, Costa Gomes acentuou a importância, em qualquer situação, da liberdade de ação e da iniciativa, salientando que na perda da iniciativa está sempre a origem do insucesso militar, pelo que não poderão ser dadas interpretações menos corretas nem pessimistas a qualquer manobra que, adotada de plena consciência e decidida com oportunidade, antes constitui uma manifestação de iniciativa tendente a conservá-la.

Obviamente que Costa Gomes discutira detalhadamente esta retração em Bissau com Spínola, que inicialmente a aprovou e mais tarde a contestou, e com tal pretexto pediu a sua substituição a Marcello Caetano. Nesta reunião magna de militares e de políticos, Costa Gomes valorizou esta manobra como a única consistente para resistir ao crescente ritmo do aumento de potencial do In. E ficou igualmente exarado em ata:
“A redução do número de guarnições do dispositivo, dando-lhe dimensão adequada em termos de potencial, apresenta-se como imperativo da economia de meios não só terrestres como navais e aéreo. Por tudo isto não vê outra alternativa se não a adoção de uma manobra visando o encurtamento da área efetivamente ocupada com vista ao aumento da capacidade defensiva das Nossas Forças pela dinamização daí resultante para as posições do novo dispositivo, evitando deste modo a contingência de aniquilamento das guarnições de fronteira que se impõe a todo o transe evita, atentas as suas repercussões militares e políticas, externas e internas”.

Tirando um documento subscrito por Carlos de Matos Gomes acerca desta retração, não conheço quaisquer outros comentários sobre os efeitos de tal retração que nos afastaria ao longo das centenas de quilómetros das fronteiras da Guiné-Conacri e do Senegal, com o corolário de migrações maciças de todas as populações para longe do alcance dos morteiros 120. Mas seria bom conhecer as conjeturas dos peritos em estratégia para os efeitos que teria igualmente tanto território abandonado para que o In explorasse novas formas de guerra semi-convencional, trazendo os seus cargos para lançar mísseis sobre os aquartelamentos e reordenamentos. A par deste problema tínhamos um outro, que não pode sair do domínio da especulação: a Organização da Unidade Africana preparava um chamamento para se criar um exército que expulsasse o “invasor” de um país independente e reconhecido pela generalidade das Nações Unidas.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 14 de julho de 2016 > Guiné 63/74 - P16304: Notas de leitura (857): (D)o outro lado do combate: memórias de médicos cubanos: o caso do cirurgião Domingo Diaz Delgado, 1966-68, segundo o livro de H. L. Blanch (2005) - Parte IV: depois de 3 meses em tratamento do paludismo, em Conacri, o médico vai para a frente leste, em junho de 1967, regressando a casa em janeiro de 1968

Guiné 63/74 - P16307: Convívios (761): Convívio do pessoal das CCAÇs 3327 e 3328, a levar a efeito no próximo dia 23 de Julho de 2016, na Batalha (José Câmara, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 3327)



CONVÍVIO DO PESSOAL DAS CCAÇs 3327 E 3328

DIA 23 DE JULHO - BATALHA

1. Mensagem do nosso camarada José da Câmara (ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 3327 e Pel Caç Nat 56, Brá, Bachile e Teixeira Pinto, 1971/73), com data de 14 de Julho de 2016, dando-nos notícia do Convívio do pessoal das CCAÇs 3327 e 3328, a levar a efeito no próximo dia 23, na Batalha.
 
Amigos e camaradas,
Os meus cumprimentos

A CCaç 3327, em parceria com a CCaç 3328, leva a efeito no próximo dia 23 de Julho o seu convívio anual.

Os interessados em participar neste convívio podem-no fazer até ao dia 19 (Terça-Feira), através dos seguintes contactos do ex-Fur Mil João Cruz:
284 947 081 e 967 070 680
casapintocruz@sapo.pt

Restaurante Pérola do Fétal
Estrada Nacional 356
Celeiro 2440-208 Reguengo do Fetal
Batalha - Portugal

************

Ementa

Aperitivos:
Martini, Águas, Sumos, Porto, Favaios, Vinhos

Entradas no jardim:
Grelhados da matança (temos uma churrasqueira onde grelhamos morcela de arroz, febras e lentrisca), Presunto, Queijo e Enchidos, Pataniscas de Bacalhau, Salada de Feijão-Frade com atum, Orelha de Coentrada e Salada de Polvo

Sopas:
Sopa de Peixe e Sopa de Nabiça

Prato de Peixe:
Bacalhau à Casa (Bacalhau Assado no Forno à Posta, em Crosta de Broa de Milho, acompanhado com Batatas a Murro e Migas)

Prato de Carne
Medalhões de Vitela no Tacho

Doces:
Bolo de Chocolate regado com molho de Frutos Silvestres

Bebidas:
“Real Batalha” Tinto, “Ala dos Namorados” Branco, “Neto Costa” Verde, Águas, Refrigerantes e Cerveja

Café e digestivos

Bolo de Comemoração e Espumante

Concentração e Hora Social: 10:30
Preço: 25,00 euros por pessoa

Sugestões para chegar ao local:
1 - Tomar a estrada mais conveniente para chegar a Leiria. Tomar a estrada 356 (Estrada de Fátima) para o Celeiro, Reguengo do Fétal)
2 – Tomar a estrada mais conveniente para Fátima. Tomar a estrada 356 para o Celeiro, Reguengo do Fétal.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 6 de julho de 2016 Guiné 63/74 - P16280: Convívios (760): Almoço/Encontro do pessoal da CART 564 (Guiné, 1963/65), dia 16 de Julho de 2016, em Paramos - Espinho (Júlio Santos, ex-1.º Cabo Escriturário)

Guiné 63/74 - P16306: (In)citações (96): Nova Lamego, 15 de novembro de 1970, uma das noites mais longas das nossas vidas... Nós, miúdos, achamos que os nossos pais não choram, mas eu sei que também se chora em silêncio e sem lágrimas.... (Adelaide Barata Carrêlo, filha do ten SGE Barata, CCS/BCAÇ 2893, 1969/71)

De: Adelaide Barata Carrêlo, 
membro nº 721 da nossa Tabanca Grande,
filha do tenente SGE Barata, 
CCS/BCAÇ 2893 (Nova Lamego, 1969/71) (*)

Data: 13 de julho de 2016 às 17:19

Assunto: 15 Novembro 1970 (**)



15 de Novembro de 1970, 
uma das noites mais longas das nossas vidas.

O ambiente era de festa e no quartel 

tudo parecia desenrolar-se dentro  da normalidade.

Além de ser o dia em que se comemorava um ano de comissão, 

também os  meus pais celebravam aniversário do seu casamento.

Chegámos a casa já tarde.

Quando nos preparávamos para dormir, 

lembro-me de ouvir uma espécie de  assobio 
e, segundos depois.  uma explosão. 
Tenente SGE Barata, CCS/BCAÇ 2893
(Nova Lamego, 1969/71).
Faleceu em 15/1/1979,
como capitão,
estava colocado na altura
no Ministério de Exército,
 na Praça do Comércio.,

A luz apagou-se 
e, tal como o  meu pai nos ensinou, 
corremos para o canto de sala, 
onde as paredes  eram mais fortes.

O zinco do telhado crepitava.

O meu pai decidiu 

que não podíamos ficar ali 
nem mais um minuto,  
segurou-nos ao colo como pôde 
e abriu a porta em silêncio.
Eu não queria acreditar, 
a rua estava cheia de chinelos,  "descalços"...
para onde teriam corrido os pés daquela gente ?

No trajecto para o quartel, 

três paraquedistas prontificaram-se a  ajudar os meus pais, 
levando-nos ao colo com passo apressado. 
Eles  traziam um cachorro que cheirava a after-shave.

À chegada, o meu pai soube 

que o seu amigo e camarada Cipriano Mendes  Pereira,
2º  sargento miliciano enfermeiro, 
tinha falecido, 
as marcas  estavam na parede da casa 
e na árvore junto à janela.

Também o soldado Seixas nos deixou nesse dia.  

(Lembro-me que era ele 
que enchia o bidão da água que tínhamos em casa).

Nós, miúdos, achamos que os nossos pais não choram, 

mas eu sei que  também se chora em silêncio 
e sem lágrimas.

Obrigada 

Adelaide Barata (***)



Guiné > Zona Leste > Nova Lamego > 1970 > Emblema do BCAÇ 2893 (1969/71), unidade de que faziam parte as CCAÇ 2617 ("Magriços de Guileje", Pirada, Paunca, Guileje, 1969/71), CCAÇ 2618 (Nova Lamego, 1969/71)   e 2619 (Madina Mandinga, 1969/71), além da CCS, a que pertencia o nosso camarada Constantivo Neves, ex-1º Cabo Escriturário, mais conhecido por Tino Neves.

Foto: © Tino Neves (2006). Todos os direitos reservados.



Guiné > Região de Gabu> Nova Lamgo (Gabu Sara) > Carta  dos Serviços Cartográficos do Exercito (1961) > Escala 1/50 mil >  Detalhe

Infogravura: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2016)
 _____________________

Notas do editor CV:

(*) Vd. postes de:

11 de julho de 2016 > Guiné 63/74 - P16294: Tabanca Grande (490): Adelaide Barata Carrêlo, filha do ten SGE Barata, CCS/BCAÇ 2893 (Nova Lamego, 1969/71)... Com sete anos apenas, sofreu a brutal flagelação do IN ao quartel e vila do Gabu, em 15/11/1970, que causou 3 mortos e 4 feridos graves entre as NT e 8 mortos e 80 feridos (graves e ligeiros) entre a população... Passou a ser a nossa grã-tabanqueira nº 721


(***) Último poste da série > 9 de julho de 2016 > Guiné 63/74 - P16288: (In)citações (95): "Terra vermelha quente e de paz, / lugar onde tive medo, fui feliz e vivi, / amar-te-ei sempre, / minha Guiné menina velha encantada"... (Adelaide Barata Carrêlo, filha do tenente Barata, que viveu em Nova Lamego, no início dos anos 70, durante a comissão do pai, e aonde regressou, maravilhada, quarenta e tal anos depois)

(...) Em 1970 aterrámos em Bissau onde o meu pai nos esperava ansiosamente, seguimos alguns dias depois para Nova Lamego onde ele estava colocado.

Eu tinha 7 anos, sou gémea com uma irmã e tenho um irmão mais velho 1 ano. Somos a família Barata. Quando chegou a hora dos meus pais decidirem juntar-se naquela terra, não conseguiram convencer-nos de que poderíamos separar-nos, não, fomos também. E até hoje agradeço por ter conhecido gente tão bonit, , tão pura.

As primeiras letras da cartilha, foram-me desenhadas pelo Prof. José Gomes, na Escola que hoje se chama Caetano Semedo.

Aquele cheiro, a natureza comandada pelo calor húmido que sufoca e a chuva que cai como uma cascata sobre a pele e o cabelo que teima em não se infiltrar...cheguei a pedir à minha mãe para me deixar correr como aqueles meninos que se ensaboavam no meio da rua e com um chuveiro gigante que deitava tanta água de pingos grossos e doces.

Também me lembro de quem lá ficou para sempre, não éramos muitos. (...) 

Guiné 63/74 - P16305: Efemérides (233): 15 de novembro de 1970, às 11 da noite, o quartel e a vila de Nova Lamego são violentamente flagelados com fogo de 4 morteiros 82, durante 35 minutos... 3 mortos entre as NT, 4 feridos graves, 8 ligeiros; 8 mortos entre a população, 50 feridos graves, 30 ligeiros... Valeram-nos os Fiat G-91 estacionados em Bafatá... Spínola mandou construir um quartel novo, fora da vila, inaugurado em 31/1/1971 (Tino Neves, ex-1º cabo escriturário, CCS/BCAÇ 2893, 1969/71)



Guiné- Bissau > Região de Bafatá > Gabu (antiga Nova Lamega) > Fevereiro de 2005 > O José Couto entre dois militares das Forças Armadas da Guiné-Bissau, no centro da parada do antigo quartel das NT, junto ao monumento de homenagem a Amílcar Cabral (que, por sua vez, é uma canibalização do memorial aos mortos do BCAÇ 2893, que esteve ali sediado, o comando e a CSS,  entre 1969/71).

Foto: © José Couto / Tino Neves (2006). Foto gentilmente cedida por José Couto (ex-fur mil trms, CCS/BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71), camarada do nosso grã-tabanqueiro Constantino Neves.



Guiné > Região de Gabu > Gabu (Nova Lamego) > Memorial aos mortos do BCAÇ 2893 (1969/71)... A mesma pedra, virada ao contrário, irá servir - depois da independência - para lavrar uma homenagem ao "pai da Pátria", Amílcar Cabral (foto acima)...Sempre foi assim com todos os "conquistadores": os romanos construiram  sobre as ruinas gregas, os visigodos sobre as ruínas romanas, os mouros sobre as ruínas cristãs, os cristãos da reconquista sobre as ruínas do Al-Andalus, e por aí fora...

Os mortos do batalhão foram os seguintes: (i) Sold J. Rodrigues e Sold A. Seixas (CCS) [, mortos o ataque ao quartel e povoação em 15/11/1970, 1º aniversário do batalhão]; (ii) Sold J.Cavalheiro e Sold J. Paiva (CCAÇ 2618); (iii) Sold J. Conde (CCAÇ 2617); e (iv) Sold S. Fernandes e Sold A. Dias (CCAÇ 2619).

Foto : © Tino Neves (2012). Todos os direitos reservados [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



Guiné > Zona leste > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS do BCAÇ 2893 (1969/71) > Cerimónia de Inauguração do Quartel Novo em 31 de Janeiro de 1971.

Fotos do Constantino (ou Tino) Neves, ex-1º Cabo Escriturário, CCS/BCAÇ 2893, membro da nossa Tabanca Grande desde 2006.

Foto: © Tino Neves (2007). Todos os direitos reservados.


Guiné > Zona leste > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS do BCAÇ 2893 (1969/71)  > 1970 > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (hoje Gabu). Principais edifícios civis e militares.


 Guiné > Zona leste > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS do BCAÇ 2893 (1969/71)  > 1970 > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (hoje Gabu). Principais edifícios civis e militares. (Lado esquerdo da foto de conjunto).


Guiné > Zona leste > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS do BCAÇ 2893 (1969/71) 1970 > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (Gabú) > Principais edifícios civis e militares. (Lado direito da foto de conjunto).

Imagem aérea do quartel antigo e da vila.O quartel estava situado no centro da vila, formando um rectângulo e ocupando alguns edifícios civis. A foto, cedida por Roseira Coelho (,que o Tino Neves presume que fosse ten pilav), já vinha com as marcas sem a respectiva legenda. O Tino Neves completou a legenda:

(1) Caserna das Praças;
(2) Casas civis (para alugar);
(3) Loja dos irmãos Libaneses;
(4) Depósito de géneros;
(5) Estação dos CTT (civil);
(6) Destacamento de Engenharia;
(7) Messe de Oficiais;
(8) Messe de Sargentos;
(9) Parque e Oficinas Auto;
(10) Refeitório;
(11) Dormitório de alguns Sargentos;
(12) Sala do Soldado;
(13) Parque de Jogos.

Foto (e legenda): © Roseira Coelho / Tino Neves (2007). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Lembranças de Nova Lamego: a  flagelação ao quartel e vila  em 15/11/1970 (*)

por Constantino Neves (ex-1º cabo escriturário, CCS/BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71) [, foto à direita]

O Batalhão de Caçadores 2893 foi formado em Chaves no ano de 1969. Era empregado de escritório e usaram os meus conhecimentos como primeiro cabo escriturário na CCS (Companhia de Comandos e Serviços).

A 15 de novembro de 1969 embarcámos para a Guiné, na Lisboa, no cais da  Rocha Conde de Óbidos, no T/T Uíge, regressando mais tarde no T/T Niassa.

Chegado a Nova Lamego (, hoje Gabu), eu não saía para o mato em missões,  durante o dia estava com  máquina de escrever mas à noite andava de G3.

O primeiro aniversário da nosso batalhão, a 15 de novembro de 1970, era para ser um dia de festa, mas foi um  dia fatídico. Fazíamos um ano que tínhamos embarcado. O nosso Comandante resolveu fazer uma festa, em comemoração desse dia, convidando um Oficial, um Sargento e um Praça em representação dos aquartelamentos mais próximos, pois, para além dum jantar melhorado para todos os presentes, também foi organizada uma festa de variedades no edifício do cinema da vila.

Como é natural, festa que se preze, não pode prescindir de um momento de "fogo de artifício"... Apesar de ninguém ter pensado e esperado que isso acontecesse, tivemos uma visita inesperada: sem que fosse convidado, o pessoal do PAIGC  veio  contribuir com a sua parte para "abrilhantar" a festa.

Às onze e tal da noite, quando a malta já estava toda deitada, começou a morteirada. Quando caiu a primeira já vinham 30 no ar. Fomos ver no final e eles atiraram 122.

Dois camaradas da minha CCS, foram atingidos pela única granada de morteiro que arrebentou dentro do quartel, quando ambos estavam escondidos debaixo de uma viatura GMC - que estava estacionada junto ao dormitório de alguns Sargentos [vd foto acima, ponto (11)], quando a mesma caiu a 1 metro deles. Foram eles o Soldado Básico Seixas e o Soldado Maqueiro Joaquim Rodrigues.

O sargento morto era um ex-militar da CCAÇ 5, "Os Gatos Pretos" (sedeados em Canjadude),  o 2º sargento mil enfermeiro, Cipriano Mendes Pereira, guineense, de etnia manjaca: estava mais a esposa,  de passagem para Bissau, de férias, mas resolveu ficar mais um dia para participar na festa do aniversário do Batalhão. Morreu, junto a sua esposa, no quintal de sua casa. Deixaram órfãs 2 crianças (um casal),  de tenra idade. Tinha sido colocado no HM 241, em Bissau, tendo deixado de pertencer à CCAÇ 5 em 10/10/1970.

Houve mortos e feridos, graves e ligeiros, também na população. Caiu uma granada de morteiro numa palhota, morreram todas as pessoas que lá estavam. No quartel só caiu uma mas bastou para matou dois camaradas da minha companhia. Fui-me esconder num posto de rádio que era blindado. Já estava quase cheio mas consegui enfiar-me lá dentro enquanto outro camarada ficou à porta e ainda apanhou com estilhaços nas pernas.

O ten SGE Barata, da CCS,  também estava com a família, em Nova Lamego: esposa e 3 filhos menores (1 rapaz e duas gémeas). Adelaide Barata Carrêlo, então com 7 anos, era uma das duas meninas. Num depoimento emocionado que iremos publicar, noutro poste, recorda os seus medos dessa noite. É a nossa mais recente grã-tabanqueira, com o nº 721.(**)


Guiné > Zona Leste > Gabu > Canjadude > 1969 > CCAÇ 5 - Os Gatos Pretos (1968/70) > O Fur Mil Transmissões José Marcelino Martins com o seu amigo e camarada Cipriano Mendes Pereira (srgt mil enf) [Foto à direita] (***)

Foto: © José Martins (2006) . Todos os direitos reservados.

Por causa desse episódio, o Spínola decidiu mandar construir um quartel novo, a um quilómetro da povoação, para evitar baixas colaterais. Irá ser inaugurado em 31/1/1971.

Este acontecimento foi notícia na Metrópole como Chacina em Nova Lamego.

A nossa sorte foi os FIAT estarem na zona de Bafatá, e estarem em contacto com o comando de Bafatá e por sua vez o comando de Bafatá em contacto connosco. Ao aperceber-se do acontecimento, deu ordem aos FIAT para virem em nosso socorro, se não as morteiradas não teriam sido somente 122.

Eis o  que ficou seca e telegraficamente escrito, para a História, na brochura da História da Unidade (****):

"Dia 15/11/70:

BCAÇ 2893 comemorou o aniversário de comissão nesta província. Foi convidado de honra o Exmo. Cmdt CAOP 2.

Grupo Inimigo, constituído aproximadamente por 150 elementos, flagelou Nova Lamego durante 35 minutos, com fogo de 4 morteiros 82 (cerca de 122 granadas) e armas ligeiras, causando às NT 3 mortos (1 sargento), 4 feridos graves (1 milícia) e 8 ligeiros. A população sofreu 8 mortos, 50 feridos graves e 30 ligeiros.

As NT reagiram com fogo de morteiro 81 e de canhão s/r, manobra de envolvimento e perseguição , apoiada pela FAP [Força Aérea Portuguesa], causando ao IN baixas prováveis. Artilharia de Cabuca e Piche bate[u] com fogo de obus prováveis itinerários de retirada do IN".
____________

Notas do editor:

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Guiné 63/74 - P16304: Notas de leitura (858): (D)o outro lado do combate: memórias de médicos cubanos: o caso do cirurgião Domingo Diaz Delgado, 1966-68, segundo o livro de H. L. Blanch (2005) - Parte IV: depois de 3 meses em tratamento do paludismo, em Conacri, o médico vai para a frente leste, em junho de 1967, regressando a casa em janeiro de 1968


Guiné > 1970 > s/l > Algures, numa enfermaria do mato, um "médico guerrilheiro" do PAIGC, seguramente cubano, faz um parto.  Uma das célebres fotos de Istvàn Bara, o fotojornalista húngaro, nascido em Budapeste. 1942, que esteve 'embebed' com forças do PAIGC, no mato, em 1969/70. Ocorre-nos perguntar se médico. parturiente e criança (do sexo masculino) ainda estarão vivos. Oxalá /inshalla / enxalé!

Título da imagem em húngaro: "0084_Bara Istvan_Szules a dzsungelben 5, Guinea Bissau_1970.jpg [Em português, um nascimento no mato],

Fonte / Source: Foto Bara > Fotogaleria > Guiné-Bissau (com a devida vénia / with our best wishes...)

Estamos gratos a este conhecido fotojornalista magiar pelas imagens sobre a guerra colonial / guerra de libertação na Guiné-Bissau que disponibilizou na sua página. Isttvàn Bara continua manter, na sua página na Net, na sua galeria, esta e outras fotos que documentam bem a dura realidade da vida dos guerrilheiros do PAIGC e da população sob o seu controlo.  artimos do princípio que estas imagens são do domínio público.

Tentámos em tempos contactá-lo por e-mail, mas nunca recebemos resposta, para obtermos autorização para divulgação de mais fotos da sua fotogaleria. A Hungria, como se sabe,  é hoje um membro da União Europeia, e da NATO,  mas 1989 tinha um regime de partido único, e estava integrada no Pacto de Varsóvia. Penso que o fotojornalista de ontem se adaptou, com sucesso,  aos novos tempos e à economia de mercado. Na qualidade de diretor do MIT, e de fotojornalista com prestígio internacional, integrou em 1985 o júri do famoso prémio World Press Photo (mas ambém em 1986). Recorde-se que ainda estávamos em plena guerra fria.

Há apenas duas fotos, tiradas por ele, no Arquivo Amílcar Cabral / Casa Comum.


Quarta parte, enviada a 13 de julho último,  das "notas de leitura" coligidas pelo nosso camarada e grã-tabanqueiro, Jorge Alves Araújo. Trata-se de um extenso documento, que está a ser publicado em diversas partes (*), tendo em conta o formato e as limitações do blogue.  



Foto à esquerda:

O nosso grã-tabanqueiro Jorge Araújo: (i) nasceu em 1950, em Lisboa; (ii) foi fur mil op esp / ranger, CART 3494 / BART 3873 (Xime e Mansambo, 1972/1974); (iii) fez o doutoramento pela Universidade de León (Espanha), em 2009, em Ciências da Actividade Física e do Desporto, com a tese: «A prática Desportiva em Idade Escolar em Portugal – análise das influências nos itinerários entre a Escola e a Comunidade em Jovens até aos 11 anos»; (iv) é professor universitário, no ISMAT (Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes), Portimão, Grupo Lusófona; (v) para além de lecionar diversas Unidades Curriculares, coordena o ramo de Educação Física e Desporto, da Licenciatura em Educação Física e Desporto].


1. INTRODUÇÃO

Caros tertulianos; eis a última de quatro partes em que foi dividida a publicação, no nosso blogue, da entrevista realizada pelo jornalista e investigador cubano Hedelberto López Blanch ao cirurgião Domingo Diaz Delgado, médico do primeiro grupo de clínicos cubanos chegados em junho de 1966 à Guiné Portuguesa [hoje Guiné-Bissau] para apoiarem o PAIGC na sua luta pela Independência.

Trata-se da primeira de três entrevistas organizadas pelo autor e que constam no seu livro, escrito em castelhano, com o título «Historias Secretas de Médicos Cubanos» [La Habana: Centro Cultural Pablo de la Torriente Brau, 2005, 248 pp.]. [Disponível "on line"em formato pdf, ].

Seguir-se-ão os depoimentos de Amado Alfonso Delgado (médico de clínica-geral, com experiência em cirurgia) e Virgílio Camacho Duverger (médico militar, especialista em cirurgia geral), onde cada um deles relata algumas das suas histórias de vida  passadas naquele contexto durante as suas missões,  de acordo o guião de entrevista utilizado pelo investigador. "(D)o outro lado do combate" é o título escolhido  por mim para explicitar o propósito da publicação deste meu trabalho neste espaço de partilha.

O livro merece uma leitura integral: o autor conseguiu localizar e entrevistar 15 médicos cubanos que estiveram, como "voluntários" em missões no estrangeiro, de "ajuda humanitária" e "solidariedade internacionalista", de 1963 a 1976, em diversos contextos africanos: Argélia, Guiné-Bissau, Congo Leopoldville, Congo Brazzaville  e Angola.

A primera brigada sanitária cubana chegou à  Argélia en maio de 1963: tinha 55 membros. incluindo 29 médicos- Por  tszões de "segurança de Estado", estas "histórias" tiveram que se manter "secretas".

Só a partir de 2001 é que o jornalista, investigador e escritor  H. L. Blanch [, foto à esquerda,] pode começar a trabalhar este tema. Doze dos entrevistados são apresentados como "médicos guerrilheiros"; os outros 3 (incluindo uma mulher) integraram a missão da Argélia, que não  era militar (nem, portanto, secreta).  Recorde-se que a Argélia tornou-se independente em 1962, depois de uma longa e sangrenta guerra contra a França.

Porque se trata de uma tradução (com adaptação livre e fixação do texto em português, da minha responsabilidade),  não farei juízos de valor sobre os diferentes depoimentos:  apenas coloquei  entre parênteses rectos algumas notas avulsas de enquadramento socio-histórico ao que foi transmitido,  com recurso a imagens desse contexto retiradas da Net e dos arquivos deste blogue.

2. O CASO DO CIRURGIÃO DOMINGO DIAZ DELGADO [IV]

Para melhor compreensão da contextualização deste último fragmento sobre o médico em título, sugere-se a leitura dos P16224, P16234 e P16285, primeira, segunda e terceira parte destas "notas de leitura" (*).

O primeiro poste está relacionado com a preparação para a missão africana, a viagem (secretíma) de barco até à Guiné-Conacri e os primeiros contactos com a estrtutura do PAIGC noterreno. O segundo tem a ver com a  explicação/caracterização do leque de actividades clínicas presentes no quotidiano de um médico naquela guerra de guerrilha, das duríssimas condições logísticas vividas em bases improvisadas, provisórias e de parcos recursos, ora socorrendo os guerrilheiros feridos nos combates, ora cuidando das maleitas apresentadas pela população sob o seu controlo. Por fim,  no terceiro poste,  o entrevistado fala das actividades operacionais em contexto de bigrupo durante os primeiros três meses de 1967 na região [frente] Norte [Sambuiá] até ao momento em que começou a ter vários problemas de saúde que o obrigaram a fazer uma viagem, já em março de 1967.  até Conacri para recuperação/restabelecimento. e onde ficou 3 meses.

Utilizando o mesmo instrumento já apresentado no P16234 [Suprintrep n.º 31, de 13 de fevereiro de 1971 - P2787] dá-se conta na linha azul (mapa abaixo) da geografia dos itinerários percorridos pelo médico Domingo Diaz, também designados por “corredores”, ligando as diferentes bases do PAIGC, durante os primeiros oito meses da sua missão [julho de 1966 a março de 1967].

A estrela verde corresponde aos itinerários utilizados durante o segundo período na região [frente] Leste, entre junho e dezembro de 1967, com destaque para as actividades desenvolvidas em Madina do Boé e Beli.


Mapa das regiões [frentes e bases do PAIGC]. A linha azul corresponde ao primeiro período da missão de Diaz Delgado  (de julho de 1966 a março de 1967), na Frente São Domingos / Sambuiá. A estrela verde corresponde ao segundo período (de junho a dezembro de 1967), na Frente Bafatá  / Gabu (Sul). Infogravura adapt. de Supintrep nº 31, fevereiro de 1971.

Se em junho de 1967 Diaz Delgado  vem de Conacri, onde esteve a ser tratado de uma crise de paludismo, para a região do Boé, não faz sentido a nossa referência, no poste anterior [P16285],  à Op Cacau, realizada em  4/6/1967, e em que morreu o cap inf José Jerónimo da Silva Cravidão, cmdt da CCAÇ 1585, na região de Bricama (Farim), justamente no dia em que fazia 25 anos... 

O médico cubano refere uma data anterior,  março de 1967, para o ataque das NT a Sambuiá,  na véspera de ser  evacuado para Conacri com paludismo, regressando ao fim de 3 meses... No período em que o Diaz Delgado esteve na Guiné, na frente norte, entre agosto de 1966 e março de 1967 e depois na frente leste, entre junho de 1967 e janeiro de 1968, não temos informação de mais nenhum comandante de companhia das NT morto em combate numa operação. O Diaz Delgado pode estar a querer referir-se a um alferes, substituto do comandante de companhia. Quem poderá ter morrido em março de 1967 no ataque à base de Sambuiá ?









Indice da obra. A versão em pdf não está paginada,  Hedelberto López Blanch: «Historias Secretas de Médicos Cubanos» [La Habana: Centro Cultural Pablo de la Torriente Brau, 2005, 248 pp. [Consulta em 30 de maio de 2016]. Disponível em: http://www.centropablo.cult.cu/libros_descargar/historiamedicos_cubanos.pdf. [A versão disponível em pdf,. embora integral, não está paginada; em papel a obra tem 248 pp, em versão digiral 147 pp.]


Capítulo 10 - Onde o tempo não se mede pelo relógio” (continuação). Transcrição da entrevista de Diaz Delgado, com as seis últimas questões [da 23ª à 28ª, identificadas por nós em numeração romana] (**)


(xxiii) Depois da recuperação em Conacri, 
aonde o colocaram?


Após um forte tratamento médico e com uma recuperação quase total, enviaram-me para a zona [frente] Leste. Esta região era um pouco mais tranquila do ponto de vista militar, embora se realizassem várias operações. Por exemplo Víctor Dreke [, o chefe da missão cubana, em Conacri] dirigiu um dos ataques a um quartel. Anteriormente [novembro de 1966] tinha-se verificado ali um combate importante onde mataram um dirigente do PAIGC, o comandante Domingos Ramos.

[Domingos Ramos foi morto em Madina do Boé, em 10 de novembro de 1966 (curiosamente o dia do meu 16.º aniversário), sendo considerado, por esse facto, um herói da Guiné-Bissau, uma vez que fez parte do grupo de pioneiros da luta de libertação, sob a liderança de Amílcar Cabral (1924-1973). Morreu ao lado do cubano Ulisses Estrada.Tem o seu nome ligado à toponímia e a instituições de ensino do país. O seu rosto figura em notas do Banco Central da Guiné-Bissau – exemplo da nota de cem pesos de 1983 e 1990. Tinha também um irmão na guerrilha, o Pedro Ramos – P16123].


[Imagem à esquerda: Efígie de Domingos Ramos, em nota de 100 pesos do Banco Central da Guiné-Bissau, emitida em 1990].


Para Domingo Diaz, a frente Leste era uma região onde se combatia, mas não com as mesmas características das do Norte. No Leste era uma zona mais isolada, com uma fronteira amiga, ou seja, a Guiné-Conacri.

Na zona de Madina do Boé morreu um companheiro cubano por uma úlcera perfurada ao comer umas folhas muito ácidas daquele lugar, que se chamam "foli" [também se diz "fole", com o fruto faz-se sumo]. Os nativos comem-nas para ter mais força e reanimarem-se, pois é muito ácida. 

A este companheiro se lhe perfurou o estômago e quando chega às minhas mãos está em agonia. Fiz tudo o que estava ao meu alcance para lhe conter a hemorragia, e,  como carecíamos de instrumentos cirúrgicos, tentámos transferi-lo para o pequeno hospital de Boké, na Guiné-Conacri, mas faleceu durante a viagem. Este companheiro foi sepultado ao lado da base aonde nos encontrávamos [no Boé].

[A morte deste cubano – o tenente Radamés Sánchez Bejerano – ocorreu em 19 de julho de 1967, cinco dias depois de um ataque de artilharia efectuado pelos guerrilheiros do PAIGC ao quartel de Madina do Boé, conforme depoimento do médico Domingo Diaz publicado no livro «La Historia Cubana en África – 1963-1991», de Ramón Pérez Cabrera, 2011, p. 152. (Imagem da capa, à direita),

[ Aí se refere que após concluído o ataque, e na sequência da retirada, o tenente Radamés Sánchez perdeu-se na mata durante dois dias e por efeito de ter fome comeu umas folhas muito ácidas que lhe provocaram lesões no estômago. Tinha vinte e nove anos. (…) Esta foi a segunda baixa no contingente cubano em missão na Guiné-Bissau, sendo a primeira a de Félix Barriento Laporté, ocorrida duas semanas antes, em 3 de julho de 1967, durante o ataque ao quartel de Mejo. Na retirada, o artilheiro cubano morreu ao ser atingido por uma granada de obus. Tinha vinte e cinco anos. (op.cit. p.152)].


(xxiv) Que características tinham 
os guineenses?

Recordo muitos nomes valiosos, de chefes e soldados muito valentes que estavam dispostos a morrer antes de um cubano cair nas mãos do inimigo. Às vezes ouve-se falar de pessoas que são mais ou menos combativas. Creio que a guerrilha mais combativa, decidida e valente que havia em África naquela época, era a integrada pelos homens dirigidos por Amílcar Cabral [1924-1973].


(xxv) Nas caminhas pelas matas 
teve experiências com serpentes?


Claro que sim. Atendi vários com mordidelas de serpentes e também vi morrer à minha volta seis nativos por esse motivo. Eram principalmente da população civil. 

Recordo um caso na Zona Leste, um homem que chegou em muitas más condições e lhe tinham feito um garrote na perna, a qual estava em muito mau estado, com muitas borbulhas e praticamente preta. Comecei a tratá-lo e eu tinha uma ferida no pé. Usava  uns chinelos de plástico [hoje, havaianas] que os naturais utilizavam muito e a que me acostumei,  a esse tipo de calçado. Não me lembrei que tinha essa ferida no pé e já havia visto morrer gente à minha volta por picadelas de serpente.

Para esse tratamento fazíamos um corte em cruz no lugar da picada, levantávamos a pele nessa zona e começávamos a drenar para que saísse o sangue. Todo esse líquido me ia caindo na ferida que eu tinha no pé. Não sabia se isso me podia fazer mal ou não. Tomei a decisão de colocar um garrote na perna e fazer-me uma ferida. Não tinha bisturi, senão um canivete, que não estava esterilizado, mas era tanta a adrenalina que não senti o corte, e comecei a drenar. Um companheiro cubano controlava o garrote. Não tínhamos soro antiveneno para aplicar nessa zona. Em cada quarenta e cinco minutos aliviava dez minutos o garrote para que o sangue fluisse.

Passaram as horas e não senti nenhum sintoma. Provavelmente tomei esta decisão muito apressada, mas como tinha visto morrer cinco pessoas não quis arriscar a ser mais a sexta. Os companheiros que estavam comigo eram gente competente, um grupo de tropas especiais de dez guerrilheiros, embora não estivessem acostumados às lides  médicas. Dois deles desmaiaram, mas depois outro ficou a ajudar-me até ao fim.




Um curioso mapa da Guiné, sem data nem origem... Veja-se como os cubanos viam o território. Os únicos rios sinalizados são o Farim e o Corubal, Madina (do Boé) tem a mesma importância que as outras povoações donde faltam topónimos importanets como Nova Lamego (Gabu), Teixeira Pinto (Canchungo), Mansoa, Xime, Bambadinca, Catio, Cacine... Ziguinchor (no mapa, grafado como Zinguinchor), no Senegal, e Boké e Conacri na repúblcia da Guiné são as três únicas referências, nos países vizinhos,  que convinha ficar... Fonte: H. L. Blanch (2005).



(xxvi) Quando e como regressou 
da Guiné-Bissau?


Regresso em janeiro de 1968, ou seja, estive nesta missão durante vinte meses e em zonas de combate cerca de dezasseis. Regressei em más condições. Quando parti tinha 80 quilos e saí da Guiné-Bissau só com cinquenta. Com o objectivo de me recuperar, levaram-me a Conacri onde embarquei no navio cubano Pinar del Rio, que ia com destino ao Congo Brazzaville. Esses sete dias de viagem, mais uma semana no Congo, carregando troncos de árvores, e outra semana para regressar à Guiné-Conacri para recolher os restantes companheiros, serviram para me restabelecer um pouco.

O meu grupo regressa com o que pensámos ser aquele que nos iria substituir, uma vez que quando tínhamos oito meses de actividade em território da Guiné-Bissau, chega o segundo grupo cujo objectivo era reforçar a missão. No final regressamos todos juntos.

Desse segundo grupo quero fazer menção ao doutor Raúl Currás Regalado, que esteve todo o tempo na Zona Sul da Guiné-Bissau. Posteriormente foi cumprir uma missão internacionalista em Angola, aonde participou na companhia do clínico cubano Martin Chang Puga em várias acções de guerra. Durante uma deslocação, o veículo aonde seguiam voltou-se e perderam a vida. Currás tinha características excepcionais e deixou dois filhos e a esposa. E Chang, que não esteve na Guiné-Bissau, era epidemiologista, e também deixou filhos e esposa. [Os dois são considerados "mártires" pelo reime cubano].


(xxvii) Como foi a chegada do grupo 
a Cuba?


Em Cuba fomos recebidos pelo então capitão Guillermo Rodriguez del Pozo, chefe dos Serviços Médicos das FAR [, Forças Armadas Revolucionárias], e seu adjunto, Ángel Fernández Vila. Chegámos a Mariel e fomos para um acampamento aonde durante dois dias nos fizeram exames médicos. Ali nos foram visitar o comandante Pedro Miret, designado por ministro das FAR  Raúl Castro [n. 1931, atual presidente de Cuba]. 

Sentimo-nos muito orgulhosos e reconhecidos pelas palavras que nos dirigiram, e a todos os companheiros que participaram nesta missão nos entregou uma pistola «Makarov», a qual guardo ainda. [Pistola semiautomática, de 9 mm, que entrou em 1951 ao serviço das forças armadas e políciais da antiga União Soviética, substituindo a obsoleta Tokarev].


(xxviii) Que fez ao regressar 
a Cuba?

Conclui a especialidade de neurocirurgia. Já tinha experiência desde quando era estudante de medicina ao prestar apoio nos Centros. Nesse tempo existiam somente três mil médicos em Cuba e os cirurgiões eram muito poucos. Antes de partir para a Guiné-Bissau fiz o internato com o sistema do Instituto Nacional de Cirurgia e Anestesiologia (INCA), criado pelo comandante René Vallejo para formar no imediato cirurgiões e anestesistas. Nesse ano de internato realizei operações de cirurgia superior e quando regressei da missão queria fazer neurocirurgia. 

Estive três anos e meio no Instituto de Neurologia e Neurocirurgia e graduei-me como especialista de primeiro grau nessa área. Depois estive oito meses no Hospital Joaquin Castillo Duany, no Oriente, como chefe dos Serviços de Neurocirurgia, e mais tarde transferi-me para o Hospital Naval como chefe da mesma especialidade, até 1979. Daí passei para o Ministério do Interior com a perspectiva da fundação do CIMEC [Centro de Investigaciones Médico-Quirúrgicas] em 1982, aonde trabalho desde o seu início como vice-director para a docência e a investigação.




Guiné > c. 1966//67 > s/l > Provavelmente base de Sambuia, em 1967... Da direita para a esquerda, os médicos Pedro Labarrere (falecido),  Domingo Díaz Delgado e Teudy Ojeda... O primeiro da direita era o chefe do grupo cubano da Frente Norte, o tenente Alfonso Pérez Morales (Pina). Fo anexa ao livro de H.L. Blanch (205). Reproduzida com a devida vénia...



Domingo Diaz Delgado - Nota biográfica (adapt por JA):

(i)  nasceu em 1936, numa povoação chamada Florencia, na província de Camaguey, mas foi registado em Arroyo.  Arenas, na província da cidade de Havana;

(ii) terminou o bacharelato no Instituto de Marianao,  em 1957;

(iii) começou a estudar medicina em 1959, devido a estar fechada a Universidade desde 1956, quando se agudizou a luta contra o ditador Fulgêncio Batista Zaldivar (1901-1973);

(iv)  em meados de 1958 foi detido pela ditadura e levado à Décima Estação de Polícia situada no El Cerro, em Havana; ali foi torturado durante vários dias, mas, por alguns esforços que foram desenvolvidos, foi libertado e saiu para o México;

(v) regressou ao país em janeiro de 1959, depois do triunfo da revolução castrista;  decidiu retomar os seus estudos, matriculando-se na Escola de Medicina.

(vi) em 1961, quando se funda a Associação de Jovens Rebeldes, passou a ocupar o cargo de secretário organizador na Escola de Medicina;

(vii) mais tarde, em 1962, aderiu à União de Jovens Comunistas;

(viii) desde os primeiros anos, trabalhou como interno  de cirurgia no Hospital Militar Carlos J. Finlay;

(ix) terminou o internato de cirurgia em 1965;

(x)  pertenceu ao grupo de médicos que subiu, em 14 de novembro de 1965,  ao Pico Cuba Turquino, a cuja graduação presidiu o Comandante-chefe Fidel de Castro (n. 1926) [tratou-se da primeira geração de médicos formados pelo regime: 400 médicos e 26 estomatologistas]

____________

Notas do editor:

(*) Postes a nteriores:

22 de junho de 2016 > Guiné 63/74 - P16224: Notas de leitura (850): (D)o outro lado do combate: memórias de médicos cubanos: o caso do cirurgião Domingo Diaz Delgado, 1966-68, segundo o livro de H. L. Blanch (2005) - Parte I: a partida de La Habana e os primeiros contactos com o PAIGC (Jorge Araújo, ex-fur mil op esp / ranger, CART 3494, Xime-Mansambo, 1972/1974)

24 de junho de 2016 > Guiné 63/74 - P16234: Notas de leitura (851): (D)o outro lado do combate: memórias de médicos cubanos: o caso do cirurgião Domingo Diaz Delgado, 1966-68, segundo o livro de H. L. Blanch (2005) - Parte II: a vida dura nas base de Sara, na região do Oio (Jorge Araújo, ex-fur mil op esp / ranger, CART 3494, Xime-Mansambo, 1972/1974)

Guiné 63/74 - P16303: Efemérides (232): Romagem ao cemitério de Lavra de Homenagem aos Combatentes mortos na Guerra do Ultramar, levada a efeito no passado dia 2 de Julho de 2016 (Carlos Vinhal)

Panteão aos lavrenses caídos em campanha na Guerra do Ultramar
Foto: © Dina Vinhal (2016)


ROMAGEM AO CEMITÉRIO DE LAVRA DE HOMENAGEM AOS COMBATENTES MORTOS NA GUERRA DO ULTRAMAR

Realizou-se em Matosinhos, Lavra, no dia 2 de Julho de 2016, a tradicional romagem anual ao cemitério em homenagem aos combatentes mortos na Guerra do Ultramar.

A cerimónia foi promovida pelo Núcleo, em colaboração com a Junta da União das Freguesias de Perafita, Lavra e Santa Cruz do Bispo – Pólo de Lavra.

Pelas 10H30 iniciou-se a comemoração com a concentração dos participantes em frente ao edifício da Junta, sendo de seguida içada a Bandeira Nacional pelo Presidente da Direção do Núcleo ao mesmo tempo que o Grupo Coral do Núcleo entoava o Hino Nacional e a força militar solicitada para o efeito, constituída por um Clarim da Brigada Ligeira de Intervenção – Coimbra e por uma Secção do Regimento de Transmissões do Porto, prestava as honras militares à Bandeira Nacional.

Início das cerimónias com o hastear da Bandeira Nacional, ladeada pelas bandeiras do Município e da União de Freguesias

Procedeu-se à deposição de uma coroa de flores no memorial em frente ao edifício daquela Junta pelo Presidente da Junta, Presidente da Direção do Núcleo e 1.º Secretário da Mesa da Assembleia Geral do Núcleo.

Deposição de uma coroa de flores no Memorial junto do edifício da Junta de Freguesia

Posteriormente, os participantes seguiram em romagem ao cemitério local, acompanhando o porta guião do Núcleo e a força militar.

Deslocação para o cemitério. Porta-estandarte, o combatente José Trindade

Pelas 10H45, já no cemitério junto ao Panteão onde se encontram os lavrenses que tombaram pela Pátria, realizou-se a cerimónia militar onde o Presidente da Junta começou por fazer a chamada de todos os combatentes mortos na Guerra do Ultramar da União das Freguesias de Perafita, Lavra e Santa Cruz do Bispo, seguindo-se a deposição de uma coroa de flores, no referido Panteão, pelo Presidente da Junta, Presidente da Direção do Núcleo e 1.º Secretário da Mesa da Assembleia Geral do Núcleo.

Momento da deposição da coroa de flores no Panteão

A cerimónia prosseguiu com os respetivos toques de homenagem aos mortos e, na altura do minuto de silêncio, foi cantado um salmo pelo Grupo Coral do Núcleo e lida a prece do Exército pelo sócio combatente Manuel Monteiro.
 
Momento da homenagem aos combatentes de Lavra, Perafita e Santa Cruz do Bispo caídos em campanha

O Combatente Manuel Monteiro durante a leitura da Prece do Exército

Dando continuidade ao programa traçado, foram proferidas alocuções alusivas ao ato pelo Presidente da Direção do Núcleo, Tenente Coronel Armando Costa e pelo Presidente da Junta da União das Freguesias de Perafita, Lavra e Santa Cruz do Bispo, Sr. Rodolfo Mesquita.
Por último, o Grupo Coral do Núcleo cantou o Hino da Liga dos Combatentes.

O senhor Tenente Coronel Armando Costa, Presidente do Núcleo de Matosinhos da LC, no uso da palavra

Momento em que o Presidente da Junta da União das Freguesias de Perafita, Lavra e Santa Cruz do Bispo, senhor Rodolfo Mesquita, usava da palavra na qualidade de combatente.

Momento em que os presentes cantavam o Hino da Liga dos Combatentes

Terminada a cerimónia, e na Sede da União de Freguesias, o Grupo Coral do Núcleo fez a sua primeira atuação em Lavra, perante dezenas de combatentes, familiares e amigos, cantando três temas populares. A finalizar, foi servido um porto de honra a todos os participantes que, num ambiente de franco convívio e camaradagem, fortaleceram o ideal patriótico e humanista que a Liga dos Combatentes proclama como um dos seus grandes objetivos, aproveitando-se ainda este momento para cimentar a excelente parceria entre as duas instituições.

O Grupo Coral do Núcleo de Matosinhos numa das suas actuações

Parte dos presentes no Salão Nobre do Polo de Lavra quando assistiam à actuação do Grupo Coral

Foto de família com alguns dos combatentes presentes e o Grupo Coral

Texto e fotos: © Núcleo de Matosinhos da LC
Fotos editadas e legendadas por CV
____________

Nota do editor

Último poste da série de 16 de junho de 2016 > Guiné 63/74 - P16207: Efemérides (231): Leça da Palmeira homenageia os seus Combatentes no Dia de Portugal (Carlos Vinhal)