sábado, 9 de março de 2013

Guiné 63/74 - P11224: (Ex)citações (214): Na Operação Irã, realizada nos dias 2 e 3 de Maio de 1965, participaram as CART 566 e CART 730 (João Parreira)

1. Mensagem do nosso camarada João Parreira, ex-Fur Mil Op Esp / COMANDO da CART 730 / BART 733 e do Grupo de Comandos “Fantasmas”, Bissorã e Brá, 1964/66, com data de 4 de Março de 2013:


Guiné 63/74 - P11157: Memória dos lugares (219): Olossato, anos 60, no princípio era assim (5) (José Augusto Ribeiro)

Com agradecimento pela partilha daquele conjunto das cinco fotografias (?) que retrata o bom resultado de uma operação que foi feita em Morés em 1964 com a Companhia do Olossato e a 730 (?), provavelmente referem-se a uma 'op' realizada nos finais daquele ano, Novembro(?) Dezembro(?).

Ajudas-de-memória:

Camarada e Amigo Carlos Vinhal,
Estive recentemente a ver em Memória de Lugares, o P11157 de 26 de Fevereiro enviado pelo nosso camarada José Augusto Ribeiro, da CArt 566.

Contactei alguns camaradas da CArt 730 sobre esta operação que foi mencionada ter sido efectuada em Nov/Dez 64(?) e da qual eu não me recordava.

O meu amigo Zaupa da Silva, furriel mil. enfermeiro da 730 respondeu-me dizendo:

A data da operação a Mores foi em 2 de Maio de 1965 foi uma operação em que foi o médico e o capelão. Tu estavas nos Comandos, nessa operação sofremos uma grande emboscada numa casa de mato. Estivemos mais de uma hora debaixo de fogo mas por sorte não tivemos nem um ferido. Do pessoal que aparece nas fotos é da "566" ainda vagamente me lembro de algumas caras. 
Um abraço Zaupa

A Companhia (730) à qual pertenci, e que esteve envolvida nesta operação foi para Bissorã em 8 de Dezembro de 1964.


Foto 166 > Material capturado ao IN
Foto: © José Augusto Ribeiro (2013). Direitos reservados


Fui rever o que tinha em meu poder e assim junto envio um Relatório abreviado da Operação “Irã” efectuado pela CArt 730.

02 e 03MAI65 – A CArt 730 participou na operação “Irã” que proporcionou o maior sucesso das NT na Província e talvez mesmo em todas as outras até àquela data.

Capturou-se a maior quantidade de material de sempre, cerca de 1 tonelada, por parte da CArt 566, que executou a acção no objectivo tendo a "730" montado a segurança

A CArt 730 saíu de Bissorã em 021515, desembarcou em movimento pelas 17h30 e irradiou para outra localização onde montou estacionamento. Depois seguiu para outro local, onde montou uma rede de emboscadas em protecção à CArt 566 que executou o ataque à Base Central do Morés.

Pelas 05h50 após a execução do golpe de mão pela CArt 566 à Base Central Morés cerca de 20 elementos fugindo do objectivo caíram na zona de morte, na qual foi feito um prisioneiro que interrogado imediatamente localizou a Base de Iracunda para onde a CArt 730 seguiu para a execução do golpe de mão.

A Companhia sofreu 2 fortes acções de de fogo de várias armas sem consequências. Foram destruídas a cozinha e as casas de mato da Base que, pela constituição encontrada, denunciavam sem dúvida a presença de um numeroso grupo In.

A CArt 566 arrancou com cinco helicópteros carregados de mateiral In, além do transporte pelo pessoal e já não falando no que o incómodo e peso obrigaram a abandonar durante a marcha de regresso.

Com um abraço amigo.
João Parreira
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 21 de Fevereiro de 2013 > Guiné 63/74 - P11129: (Ex)citações (213): Cameconde, hoje seria um lugar de absurdo, de pesadelo e de loucura... (Alexandre Margarido, ex-cap mil, CCAÇ 3520, Cacine e Cameconde, 1972/74)

Guiné 63/74 - P11223: Fantasmas ...e realidades do fundo do baú (Vasco Pires) (7): Fotos de um líder, do Cap Inf Op Esp Fernando Assunção Silva, primeiro cmdt da CCAÇ 2797


À esquerda: O saudoso Cap Op Esp Fernando Assunção Silva


1. Mensagem do nosso camarada Vasco Pires (ex-Alf Mil Art.ª, CMDT do 23.º Pel Art, Gadamael, 1970/72), com data de 17 de Fevereiro de 2013:


FANTASMAS DO FUNDO BAÚ

7 - Fotos de um líder - Cap Op Esp Fernando Assunção Silva

Caros Luis Graça/Carlos Vinhal,
Cordiais saudações.

Remexendo o fundo do baú, agora ligeiramente ilustrado, encontrei essas duas fotos de um LÍDER.
Esta é a minha modesta e respeitosa homenagem. Fica a imagem, as palavras já foram escritas:

Sereno, intrépido, generoso... um LÍDER

(...) "A CCaç 2796 foi fustigada de forma brutal nos seus primeiros passos em Gadamael numa primeira tentativa do PAIGC de, indirectamente, eliminar a posição de Guileje (o que veio a conseguir em 1973 por via directa). Sofreu baixas, incluindo o comandante da companhia (24Jan71) e nos finais de Janeiro de 1971 era uma subunidade extenuada psicologicamente. 

Com muito trabalho de todos, reagiu, recuperou, deixou obra feita (reordenamento, escola, posto sanitário, casernas, organização do terreno) e garantiu a posse de Gadamael, a segurança da população, o apoio logístico a Guileje e a liberdade de movimentos no seu sector. Em suma "Cumpriu a Missão". Não desmereceu do seu primeiro e valoroso comandante de companhia – Capitão Assunção Silva, dos seus restantes camaradas mortos e feridos em combate e da confiança da população que apoiou de múltiplas formas e com quem manteve relações de respeito e amizade." (...) 

Coronel Morais Silva

"O Capitão Assunção Silva comandou sempre magistralmente a reação a todas as flagelações, e ordenava patrulhas regulares, algumas delas comandadas por ele pessoalmente. Pois é, e numa delas aconteceu, um simples disparo de um franco-atirador atingiu-o mortalmente no peito."

Vasco Pires


Ao fundo o saudoso Capitão de Infantaria Op Esp Fernando Assunção Silva, à sua direita Alferes Campinho, Alferes Manso, os dois da CCAÇ 2796, e Alferes Costa Gomes, Pel Rec Fox 2260 (um "benemérito" de Guileje, pois fazia a segurança das colunas de reabastecimento), à sua esquerda Vasco Pires (camiseta branca) e Alferes Rodrigues CCAÇ, os restantes são Furriéis da CCAÇ e Pel Rec, que por estarem parcialmente retratados não dá para identificar. 
Me perdoem os camaradas, se quarenta anos depois errei algum nome.

Forte abraço
Vasco Pires
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 3 de Março de 2013 > Guiné 63/74 - P11185: Fantasmas ...e realidades do fundo do baú (Vasco Pires) (6): ...onde também tem lealdade, dedicação e competência

Guiné 63/74 - P11222: Álbum fotográfico do Jorge Canhão (ex-fur mil inf, 3ª CCAÇ / BCAÇ 4612/72, Mansoa e Gadamael, 1972/74) (5): Balantas, mandingas e mansoancas


Foto s/nº - "A morte da árvore"... [Parece ser um poilão sagrado, centenário...]


Foto s/ nº - "Bajudas"... [transportando lenha à cabeça]


Foto s/ nº - "Depois da pesca"... [Mukheres, balantas, que regressam do Rio Mansoa]


Foto s/ nº - "Tabanca 2"


Foto s/ nº - "O pilão"


Foto s/ nº - "Alimentar o almoço" ... [Neste caso, os bacorinhos]



Foto s/ nº - "Transporte do rancho"... [Que ternura de foto!]


Guiné > Região do Oio > Mansoa > 1972/1974 > BCAÇ 4612 (1972/74) >  Legenda do Jorge Canhão:


1. Continuação da publicação do álbum fotográfico do nosso amigo e camarada Jorge Canhão, que vive em Oeiras (ex-Fur Mil At Inf da 3ª CCAÇ/BCAÇ 4612/72, Mansoa e Gadamael, 1972/74).

Estas fotos, relativas a Mansoa,  chegaram-nos às mãos através de outro grã-tabanqueiro, o Agostinho Gaspar, ex-1.º Cabo Mec Auto Rodas, 3.ª CCAÇ/BCAÇ 4612/72, Mansoa, 1972/74), residente em Leiria. Os nossos especiais agradecimentos aos dois, e muito em especial ao nosso camarada Jorge Canhão, a quem desejamos boa continuação da sua recuperação de um recente problema de saúde.

Não sabemos quem é o autor (ou quem são aos autores) das fotos,,,  Estas fotos constam de um CD, do Agostinho Gaspar, estão sob um ficheiro com a seguinte designação: Jorge Canhão > Vários Batalhão.

Principais grupos humanos do setor (excertos da Históira do BCAÇ 4162, Mansoa, 1972/74, Cap II, pp. 8-11



Guiné 63/74 - P11221: Do Ninho D'Águia até África (56): ...tudo parecia redondo (Tony Borié)





1. Quinquagésimo sexto episódio da série "Do Ninho de D'Águia até África", de autoria do nosso camarada Tony Borié (ex-1.º Cabo Operador Cripto do Cmd Agru 16, Mansoa, 1964/66), iniciada no Poste P10177:




DO NINHO D'ÁGUIA ATÉ ÁFRICA - 56


O mês era Abril, e alguns diziam:
- A Páscoa, está à porta!.

Para o Cifra, tanto fazia ser Páscoa como Natal, os dias eram iguais, andava por ali, fumava os seus cigarros, umas vezes normais, outras vezes “especiais”, quase sempre trazia nas mãos uma garrafita de “coca-cola”, cheia de álcool, alguma água e um pouco de vinho ou café para lhe dar a cor, parecendo coca-cola, não aparecia à hora do comer e depois roubava pão e vinho, e quando havia oportunidade, álcool ao Pastilhas, metia conversa com este e com aquele, mas o final da conversa era sempre, “tirem-me daqui”. O Curvas, alto e refilão, já não se podia aturar, tinha sempre razão, os outros é que estavam todos errados, mas nesse dia reparou numa coisa diferente.


O Curvas, alto e refilão, andava em cima de uma bicicleta, muito velha, mesmo velha, sem pneus, com os aros tortos a fazer barulho no chão, de vez em quando desiquilibrava-se, quase que caía, colocava os pés no chão e gritava palavras obscenas, bicicleta esta, que possivelmente roubou a algum miúdo natural da aldeia com as tais casas cobertas de colmo, que ficava próximo do aquartelamento, trazia vestido uns calções rotos, em que o forro dos bolsos já tinha desaparecido há muito tempo, nos pés trazia os restos de umas botas de pano e borracha que tinham sido novas há vinte e dois meses atrás, amarradas com um fio, a servir de atacadores, somente nos dois últimos buracos do resto das referidas botas.
A medalha cruz de guerra andava pendurada na frente do resto da camisa suja, que tinha sido amarela quando as botas que trazia nos pés eram novas, medalha esta que balançava com o movimento do seu corpo. Guiava só com uma mão, pois a outra trazia o maço de cigarros “três vintes” e o isqueiro que o Movimento Nacional Feminino lhe tinha oferecido, por indicação do Cifra, não que ele o tivesse pedido, isqueiro esse que funcionava a gasolina ou a álcool, que ele roubava da enfermaria quando apanhava o “Pastilhas” desprevenido, pois o “Pastilhas” quando o via próximo, escondia o frasco do álcool. Quando isso acontecia, usava gasolina e deitava um cheiro que alguns diziam:
- Cheira a gasolina, anda por aí o Curvas, alto e refilão.

Andava na bicicleta, não conseguia rolar pois mais que uns escassos metros, voltava a desiquilibrar-se, quase que caía de novo, e então dizia com a voz um pouco alta e algo excitado:
- Fujam, fujam caral..! Que esta merda, ainda vai cair!

O Cifra olhou para ele e sentou-se em cima de uns restos de um barril de vinho vazio, que por ali andava a já não sabia há quanto tempo, tapou a cara com a mão, em sinal de desespero, pois estava nesse momento a pensar na sua aldeia do vale do Ninho d’Águia, passado uns momentos, tira a mão da cara, e olhou para o tampão, que também era redondo, e pensou para si:
- Isto é muita coincidência.

Olhou para o seu relógio de pulso, que também é redondo, e rondava por volta das seis horas da tarde, o Curvas, alto e refilão, rodava na bicicleta velha, com as rodas tortas, a pequena bolanha, ou seja pântano, que existe ao fundo do aquartelamento, também é redonda na sua superfície, pássaros de diversas cores, voavam e rodavam em redor uns dos outros, na tal pequena árvore florida, de que já se falou, no princípio desta série de textos e que existe junto da bolanha.

Verificando melhor, lá ao fundo, vem um bando de patos rodeando a bolanha, o furriel miliciano vai a passar por ali, com um cigarro feito à mão na boca, leva a sua G-3 ao ombro, que acabou de limpar, no cabanal, era assim que se chamava ao local onde os militares de acção limpavam e oleavam as armas, que era um lugar que alguém se lembrou de fazer, com quatro estacas de troncos redondos de palmeiras, cobertas com três folhas de zinco, já com alguma ferrugem que andavam por ali, depois alguém para lá levou uns barris de vinho vazios, também redondos, que serviam de mesas, e lá começaram a limpar as armas, passando a chamar-se, “o cabanal da limpeza de armas”. O dito furriel, com uma habilidade espantosa, talvez sobre influência do cigarro feito à mão, dá um tiro certeiro num dos patos, talvez para experimentar a arma, que rodou sobre si, morto por uma redonda bala, saída de um redondo cano, o resto do bando dos patos continuou a rodear a bolanha, mas fugindo, na procura de novos rumos. O Cifra, pensou para si:
- Estou a ficar maluco, é tudo redondo, por favor tirem-me daqui!


Olhou melhor para o barril vazio, e os aros também eram redondos, o buraco no meio, também era redondo, assim como a rolha, e ficou a pensar que o pato que o furriel miliciano matou, sem tirar o cigarro, feito à mão, da boca, cigarro esse que apesar de encurrilhado, na mente do Cifra também lhe parecia redondo, e pensou que o pato morto com o tiro certeiro, não rodará mais, mas fará rodar os membros de quem o comer, e de repente, põe de novo a mão na cara, fica por segundos a pensar e lhe volta à ideia a sua aldeia do vale do Ninho d’Águia e quando era criança também formavam uma roda em redor uns dos outros, esperando que o futuro os rodeasse com os seus caprichos, e quem sabe se foi graças à roda que se inventou a bola de futebol, e por falar em bola, lá ao fundo vem o Trinta e Seis, que é baixo e forte na estatura, e que no pensamento do Cifra, não vem a caminhar, vem a rebolar, pois também parece redondo como uma bola.

Era demais, tinha que ir ver o “Pastilhas”, o tal cabo enfermeiro, pois já estava a ficar tonto, e por cima não tinha fumado nenhum “especial”, e a pensar em tudo isto, levantou a cabeça e reparou lá ao longe que o sol, também redondo, se estava a querer esconder para dar lugar à lua, que nesta altura, também é redonda.

Levantou-se, sacudiu a cabeça e começou a correr ao lado do Curvas, alto refilão, tentando também empurrar a bicicleta, ao que ele resistiu, com os seus insultos habituais, dizendo:
- Fora daqui, caral..!. Isto é a minha bicicleta!
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 2 de Março de 2013 > Guiné 63/74 - P11180: Do Ninho D'Águia até África (55): O fim aproximava-se, mas havia desespero (Tony Borié)

Guiné 63/74 - P11220: Manuel Serôdio, ex-fur mil CCAÇ 1787 (Empada, Buba, Bissau, Quinhamel, 1967/69) (Parte IX): Subsetor de Empada: atividade operacional de Out 68 a jan 69

1. Continuação da série do Manuel Serôdio (, camarada que vive em Rennes, Bretanha, França), sobre a história da sua companhia, a CCAÇ 1787 (*)... 

Material enviado em 26 de fevereiro último.

Recorde-se que a CCAÇ 1787/BCAÇ 1932 foi mobilizada pelo RI 15, partiu para o TO da Guiné em 18/10/1967 e regressou a 21/8/1969. Passou sucessivamente por Bula, Bissau, Empada, Buba, Bissau, Quinhamel. Comandante: Cap Inf Marcelo Heitor Moreira. O BCAÇ 1932 esteve sediado em Bissau, Farim e Bigene (Comandante: ten cor inf Narsélio Fernandes Matias)

 
Outubro de 1968
(Continuação)...


Patrulhamento a Tarna
Situação:

A área de Tarna Canchuma Manjaco é controlada pela nossas tropas e,   embora não haja ali culturas, as produções frutículas são colhidas  pela população de Empada, devidamente escoltada.

Missão:

Patrulhar a área de Tarna Canchumba Manjaco, aniquilando os grupos  inimigos que se revelassem. 

Forças executantes:
2 grupos de combate da Companhia 1787  + 2 grupos de combate da Companhia de Milícias n° 6 

Sem contato

Patrulhamento a Madina de Cima Beafada 

Situção:

A área de Madina e Beja, é por vezes frequentada por grupos inimigos,  que ali vão colher frutos, embora seja mais ou menos controlada pelas  nossas tropas, dada as frequentes operações que para aquela zona se  efetuam.

Missão:

Patrulhar a área referida, montando uma rede de emboscadas, por forma  a aniquilar os grupos inimigos que se revelassem.

Forças executantes:

2 grupos de combate da Companhia 1787  + 2 grupos de combate da Companhia de Milícias n 6

Sem contato




Guiné > Região de Quínara > Empada > 1968 > Em primeiro plano, o furriel Serôdio, mais o Dayves [, presumivelmente da Companhia de Milícia nº 6]

Foto: © Manuel Serôdio (2013). Todos os direitos reservados.



Novembro de 1968

Patrulhamentos e picagem diários à estrada para o cais, Ualada e pista  de aterragem.
Montar segurança aos barcos e aviões que demandaram Empada.
Montar segurança aos trabalhadores da bolanha.
Patrulhamentos conjugados com emboscadas (8)

Patrulhamento a Cantora 

Situação:
A área de Cantora é frequentada por grupos inimigos, que patrulham a  área vindos das bases da península da Pobreza. Têm sido ali  estabelecidos alguns contatos mais ou menos rendosos para as nossas  tropas, que ali infligiram perdas em pessoal ao inimigo, e capturado  algum material.

Missão:

Patrulhar a área referida, montando uma rede de emboscadas, por forma  a aniquilar os grupos inimigos que se revelassem.

Forças executantes:

2 grupos de combate da Companhia 1787 + 2 grupos de combate da Companhia de Milícias n° 6
Não houve contato

Alterações ao dispositivo 

O segundo grupo de combate seguiu para Bedanda, onde ficou a depender  daquele Comando por tempo indeterminado.

Dezembro 1968

Patrulhamentos e picagem diários à estrada para o cais, Ualada e pista  de aterragem.

Montar segurança aos barcos e aviões que demandaram Empada.

Patrulhamentos diários conjugados com emboscadas.

Janeiro 1969 

Patrulhamentos e picagem diários à estrada para o cais, Ualada e pista de aterragem.
Montar segurança aos barcos e aviões que demandaram Empada.
Patrulhamentos diários conjugados com emboscadas.

Outros Patrulhamentos


A noz de cola, fruto muito apreciado pelos guineenses... incluindo os guerrilheiros e a população controlada pelo do PAIGC no tempo da guerra colonial no subetor de Empada. Excerto de entrada na Wikipedia: (...) 

"Possuindo um gosto amargo e grande quantidade de cafeína, a noz-de-cola é usada por muitas culturas do oeste africano, tanto individualmente quanto em grupo. Muitas vezes é usada cerimonialmente ou dada para convidados.

A noz era utilizada originalmente para produzir refrigerantes de cola, mas foi substituída por aromatizantes artificiais visando a diminuir custos na produção em massa. (...)

As sementes têm ação estimulante, regularizadora da circulação. Atuam como um tônico revigorante, excitante do sistema nervoso e muscular. É também antidiarréica e usada nos casos de anemia, convalescença de doenças graves, problemas estomacais e certas enxaquecas, e sobretudo nas perturbações funcionais do coração. As sementes contêm teobromina e cafeína, usadas por muitas pessoas como sucedâneo do cacau e do café.

A noz-de-cola cresce espontaneamente na África Ocidental e Central em climas quentes e úmidos. O uso de suas amêndoas difundiu-se na região norte da América Latina por intermédio dos escravos negros que mascavam colas para suportar trabalhos penosos. Depois foi levada a outros países com finalidades agroindustriais".(...)


Patrulhamento a Caur de Cima, Beja e Bijante  [vd. carta de Catió]

Situação: 

A área de Beja, Bijante e Caur de Cima, é por vezes frequentada por  grupos inimigos, que ali vão colher frutos, (sobretudo na altura da  cola), embora seja mais ou menos controlada pelas nossas tropas, dados  os frequentes patrulhamentos que ali têm sido realizados, com a  finalidade de verificar se elementos inimigos têm utilizado o rio  Jassonca como variante da linha de reabastecimento do setor de 
Quinara. Admite-se que os grupos inimigos que esporadicamente ali se  deslocam, sejam constituidos por elementos da população, protegidos  por grupos armados, pois a quase totalidade dos povos das tabancas  referidas, refugiou-se no mato, provavelmente nas áreas de Aidará,  Najo e Ganduá, inteiramente controlada pelo inimigo.

Missão:

De acordo com a diretiva n° 1 do COP 4, para cuja dependência  operacional, a Unidade acaba de passar, compete-lhe executar ações de reconhecimento na região de Caur de Cima, com especial atenção às  nmargens do rios:  Caur,  Daja, Nengonga,  Candate, Bahodo.

Forças executantes:

2 grupos de combate da Companhia 1787  + 2 grupos de combate da Companhia de Milícias n° 6

Sem contato. Detetados vestígios recentíssimos de grupo inimigo  numeroso, (calculado em cerca de 100 elementos). Verificou-se que os  elementos inimigos tinham apanhado a fruta existente na área, bem como  a cola.

(Continua)
___________

Guiné 63/74 - P11219: Memória dos lugares (223): Capó, na estrada Bachile-Cacheu. uma das estações do calvário da CCAÇ 2444: ali morreram em combate três camaradas açorianos em 6/2/1969, no mesmo dia da tragédia no Rio Corubal, no Cheche (João Rebola / J. C. Resendes Carreiro / Manuel Carvalho)



Guiné > Região de Cacheu > Carta de Teixeira Pinto (1961) (Escala 1/50 mil) Posição relativa de Capó, na estrada entre Teixeira Pinto - Churobrique -Bachile - Capó - Cacheu.


1. João Rebola (, foto atual à esquerda):

(...)  Estava o Janeiro a terminar
Para o Cacheu fomos transferidos.
Continuámos a nossa epopeia
Com mortos e muitos feridos.

Dia 6, data fatídica, mês de Fevereiro,
Aziago e de muita má lembrança,
Que retirou do mundo algumas vidas
Plenas de vida e esperança.

Recordem, amigos, do local o seu nome
Que, de repente, desfez sonhos e não só
Deixando para sempre tristeza, luto e dor
Aquela operação insidiosa, em Capó. (...) (*)


Ao fim de 9 anos a blogar (mais de 11200 postes, 608 membros da Tabanca Grande, 40 mil comentários...) há lugares (ou topónimos) que ainda não constam da nossa lista, na coluna do lado esquerdo do blogue, como "marcadores"... Por exemplo, Capó, na estrada Bachilé-Cacheu, onde morreram 3 camaradas açorianos,  da CCAÇ 2444, em 6 de fevereiro de 1969, no mesmo dia, na travessia do Rio Corubal, em Cheche, sofreríamos 47 mortos, "por acidente"... (**)

Essa  longa lista do nosso martirológico guineense precisa de ser actualizada, de A a Z... De qualquer aqui vaio  mais um topónimo, Capó, de que poucos tinham ouvido falar até agora.  (***)

A morte destes três camaradas já aqui foi referida, através da transcrição de um artigo de opin

ião do ex-alf mil João Carlos Resendes Carreiro, pertencente à citada companhia, e ele próprio açoriano:

2. Homenagem a 3 militares mortos na Guiné a 6 de Fevereiro de 1969

06 Fevereiro 2009 [Opinião]


Correio dos Açores


Faz hoje 40 anos que numa emboscada na Guiné, morreram os militares, de saudosa memória, o furriel Manuel Carreiro (o Mani, filho do então Director do Diário dos Açores), o soldado José Aveiro (do Nordeste) e o soldado Manuel Almeida (o triclinas do Outeiro dos Arrifes). 


Eram 7 horas da manhã, a luz do dia já começava a aparecer, mas a densidade do nevoeiro (cacimbo) mal deixava ver as palmeiras e restante vegetação à nossa volta. 

Estávamos na zona de Capó, entre o Cacheu e Bachile, uma curva na estrada, com bolanha dos dois lados. Uma rajada de metralhadora deu cobertura à saída de uma bazucada que atingiu a zona do estômago do Mani, de uma maneira fatal. O tiroteio entretanto prosseguiu, a minha espingarda foi atingida de modo que o carregador ficou todo estilhaçado. O Graça, que ficou gravemente ferido, começou a gritar que tinha a perna despachada, quando levantei a cabeça, para ver o que se passava, uma rajada levantou o pó da estrada, qual cena do far west . 

O furriel Mani e o José Aveiro eram do pelotão que eu comandava, como alferes miliciano, faziam parte da 3.ª secção, que naquela hora estavam a passar para a frente. Quando o meu pelotão ia na frente rodávamos de 2 em 2 horas de secção, eu costumava ir na secção da frente, porém ainda não tinha dado tempo, eles ainda estavam a passar. 

Só me recordo de estar deitado na valeta da estrada, no meio do fumo da pólvora e cheiro a sangue que não vou esquecer nunca. 

Fizemos parte da CCAÇ 2444, “os coriscos”, estivemos na Guiné de 1968 e 1970. 

Passados 40 anos quero recordar aqui estes três jovens, de 22 anos, que deram a vida pela pátria, a 6 de Fevereiro de 1969, a cumprir o seu dever de cidadãos. Quando hoje exerço o direito à cidadania, faço-o com convicção, também pensando neles. 

O furriel Mani, o Mani, não era um militar, era um jovem bem formado, que à noite rezava o terço com os soldados da sua secção. Era um brincalhão, sempre alegre que fumava charutos e tentava viver um dia de cada vez. Nunca te vou esquecer, amigo! 

Tínhamos todos 22 anos, tão jovens, mas que adultos que éramos, assumíamos responsabilidades de gente adulta e madura.  Um dia ver-nos-emos, vocês não morreram, passaram a viver de outra maneira!

Um grande abraço para vocês!

Autor: João Carlos Resendes Carreiro



3. Explicações adicionais, dadasa pelo Manuel Carvalho  (ex-Fur Mil Armas Pesadas Inf, CCAÇ 2366/BCAÇ 2845, Jolmete, 1968/70) [, foto atual, à esquerda]:

(...) Em 6 de fevereiro de 1969,  começou a operação Aquiles Primeiro que se prolongou até 14 de fevereio. Logo no primeiro dia, 6 de fevereiro, a CCAÇ 2444 teve três mortos e um guia civil e três feridos e a CCAÇ 2446 teve um morto e um ferido e o Pel mil 130 quatro feridos. Ficou também ferido o alferes do Pel. Caç Nat 58 mais dois guias civis e um auxiliar.I sto logo no primeiro dia da operação.Pela nossa parte,  CCAÇ 2366,  julgo que tivemos um ferido e um dia apanhamos um RPG2 e três armas mas estávamos a ver que as munições não chegavam para abrir caminho para o quartel. Alguns de nós chegaram a Jolmete com meia dúzia de balas no carregador.Pois é, caro Rebola.  o Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca é Grande. Quem diria que as nossas companhias tinham andado na mesma operação. (...)
______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 7 de março de 2012 > Guiné 63/74 - P11209: Blogpoesia (324): Sinopse Lúdico-Histórica da CCAÇ 2444 (João Rebola)

(**) Essa trágica coincidência fez com que os 3 mortos da CCAÇ 2444, todos açorianos, em Capó, na região do Cacheum, tenham sido dados, originalmente, como desaparecido nas águas do Corubal, na região do Boé:

Vd. poste de maio de 2008 > Guiné 63/74 - P2819: Lista dos militares portugueses metropolitanos mortos e enterrados em cemitérios locais (4): 1968-1973 (Fim) (A. Marques Lopes):

(,...) Aqueles que nem no caixão regressaram - Parte IV (Final)

(Organização por ordem cronológica da data de morte: A. Marques Lopes, Cor DFA, Ref) (Continuação) (2)

[...] José Bento Pacheco Aveiro, Soldado / CCaç 2444 / 06.02.69 / Rio Corubal / Afogamento na evacuação de Madina do Boé / Nordeste, São Miguel, Açores / Corpo não recuperado.


[...] Manuel Amaral Carreiro, Furriel / CCaç 2444 / 06.02.69 / Rio Corubal / Afogamento na evacuação de Madina do Boé / São José, Ponta delgada, Açores / Corpo não recuperado.


[...] Manuel dos Santos Costa Almeida, Soldado / CCaç 2444 / 06.02.69 / Rio Corubal / Afogamento na evacuação de Madina do Boé / Arrifes, Ponta Delgada, Açores /Corpo não recuperado. [...]

Esse lamentável apso só foi corrigido um ano e tal depois. na sequência do artigo de opinião do João Carlos Resendes Carreiro e de um mail enviado pelo Carlos Cordeiro.

Vd. poste de 22 de agosto de 2009 > Guiné 63/74 - P4853: Dando a mão à palmatória (23): Verdadeira causa da morte de três camaradas açorianos da CCAÇ 2444 (Carlos Cordeiro/Carlos Vinhal)

(***) Útimo poste da série > 8 de março de 2013 > Guiné 63/74 - P11213: Memória dos lugares (222): Olossato, anos 60, no princípio era assim (7) (José Augusto Ribeiro)

Guiné 63/74 - P11218: Agenda cultural (255): Convite para o 5.º encontro da "Tertúlia Fim do Império”: Messe da Batalha/Porto, dia 14 de Março, pelas 16h00 (Manuel Barão da Cunha)

1. Convite que nos foi enviado pelo Cor Manuel Júlio Matias Barão da Cunha (CMDT da CCAV 704/BCAV 705), que esteve na Guiné entre os anos de 1964 e 1966:


Caríssimos camaradas combatentes residentes no Norte, incluindo os sócios da invicta Tabanca, recordo a nossa tertúlia na Messe da Batalha, cujo 5.º encontro será dia 14, 5ª feira, com livros de dois ex-alferes milicianos, conforme convite anexo. 



Agradecemos que tentem ir e divulgar, serão bem-vindos, 



Abraços de M. Barão da Cunha, coordenador em regime de voluntariado, residente em Oeiras, mas que irá. 

E que é feito dos briosos ex-furriel mil Pinto Correia e soldado «Porto»? 

____________

Nota de MR:

Vd. último poste da série em: 

Guiné 63/74 - P11217: Diário de Iemberém (Anabela Pires, voluntária, projeto do Ecoturismo, Cantanhez, jan-mar 2012) (10): Nunca pensei vir a gostar deste arroz e não me aborrecer de o comer praticamente todos os dias

1. Continuação da publicação do Diário de Iemberém, por Anabela Pires (Parte X) (*) [, Foto à direita; créditos fotográficos: JERO]


24 de Fevereiro de 2012

Nos últimos dois dias tivemos cá dois grupos de turistas.

Um dos grupos, de 11 pessoas, veio via Mali. Era constituído por 5 homens (americanos e ingleses) e 6 casais, dos quais 2 italianos. Vinham acompanhados de um guia do Mali e de outro guineense e já vinham do arquipélago dos Bijagós.

O outro grupo era um casal francês com 3 filhos, o mais pequeno dos quais tinha 5 anos. Vinham também acompanhados de um guia francês que trabalha para uma operadora no arquipélago. Fiquei a pensar que o meu João já cá pode vir, afinal os perigos não são assim tantos.

Pela primeira vez foi servida uma sopa no restaurante da Satu e adoraram a tarte de coco e banana, o bolo de laranja, as laranjas da Rosinda, os doces de limão e laranja, além do mel daqui e dos pratos tradicionais da Satu.

 Um dos pratos favoritos é a galinha ou cabrito à cafreal que é bem diferente do cafreal de Moçambique. Aqui, depois de grelhar a carne, é feito o tal molho onde a carne é metida. O molho tem 3 vantagens: torna a carne mais macia – mesmo as galinhas aparentemente pequenas têm a carne muito dura, permite manter a comida mais tempo quente e é o tempero do arroz que é só cozido em água e sal. 

Nunca pensei vir a gostar deste arroz e não me aborrecer de o comer praticamente todos os dias mas, na verdade, sabe muito bem. Não sei explicar como e nem porquê mas que sabe bem, isso sabe. Como dizem aqui as pessoas “muito sabe”. Outra expressão muito curiosa que usam quando uma comida é boa é dizer que pica. Um dia dei um bolo a provar à Pónu e ela começou a dizer-me “pica, pica”. Eu fiquei espantada e disse-lhe “mas eu não pus malagueta no bolo”. Então lá percebi que a expressão não tem nada a ver com picante mas que só quer dizer que é bom.

[Foto à esquerda: Anabela Pires, Catesse, janeiro de 2012. Foto de Pepito]


29 de Fevereiro de 2012

Hoje o Pepito vem cá. Foi bom de ver a Duturna cheia de pica ontem a fazer as limpezas! Ainda não consegui perceber bem o que muitas destas pessoas sentem pelo Pepito mas é um misto de respeito, de admiração, de medo? Mas de um medo bom, de um medo, creio, de o aborrecer, de o desiludir.

Ainda não terminámos as grandes limpezas, talvez seja hoje! Tem sido difícil convencer as mulheres a limpar paredes e a esfregar as junções dos ladrilhos. A sensação que tenho neste momento é que sempre que virei costas aldrabaram o trabalho, mas no final de Março faremos outra vez limpezas gerais e vou ter de estar sempre presente.

No Domingo voltei a ir à pesca mas só o Sambajuma apanhou uma raia. Mas foi um dia e tanto. Mudámos 3 vezes de piroga, fomos até ao “mar grande”, sempre em contra corrente e a partir de determinada altura só com um remo. Bem, uma maluquice do timoneiro! Passámos mais tempo a andar de piroga do que à pesca e o Sambajuma e o Alfa (irmão do Gassimo com 24 anos) “apanharam uma canseira” daquelas! Logo na mudança da 1ª piroga, quando olhei, estava tudo cheio de água, bem salgada, por sinal. Conclusão, entrou água para dentro da caixa onde ia o molho de galinha, para dentro do saco onde levava bolo que tinha feito de manhã …. Só comi meio “cuduro” com ovo mexido mas eles comeram tudo o resto. 

Já fizemos parte do caminho de noite, cansadíssimos e sem peixe! Como é costume, eu é que preparo e pago tudo, desde a comida, ao material de pesca, ao isco, e no fim ainda dou uma gorjeta a cada um. Ainda assim é muito mais barato ir à pesca aqui do que em Portugal. Compro isco para todos por menos de 50 cêntimos, as gorjetas são de 1,5€ por homem e não gastamos gasolina. Tenho de mandar vir material de pesca pois assim o que trouxe não me vai chegar para os 6 meses. Apesar de ter sido um dia louco foi muito saboroso pois a paisagem é muito bonita e repousante.

A bateria do PC está a finar-se e tenho mesmo de ficar por aqui. Ontem à noite o gerador só pegou às 21.30 e foi um bocado doloroso não ter luz logo às 19 horas. Coisas que acontecem!

[Foto acima: pescadores do Rio Geba, região de Bafatá, dezembro de 2009. Foto de João Graça]
_____________

Nota do editor:

Último poste da série > 4 de março de 2013 > Guiné 63/74 - P11189: Diário de Iemberém (Anabela Pires, voluntária, projeto do Ecoturismo, Cantanhez, jan-mar 2012) (9): O batizado muçulmano da Aminata, a filha do padeiro

sexta-feira, 8 de março de 2013

Guiné 63/74 - P11216: Tabanca Grande (389): Joaquim Nunes Sequeira, ex-1.º Cabo Canalizador do BENG 447 (Guiné, 1965/67), grã-tabanqueiro nº 608

1. Mensagem do nosso camarada e novo tertuliano Joaquim Nunes Sequeira, ex-1.º Cabo Canalizador do BENG 447, Guiné, 1965/67:

Primeiro uma explicação, o aerograma foi para ver se há mais companheiros que tenham outros pois até hoje só vi este que guardo religiosamente e que me foi enviado por um conterrâneo da Força Aérea que já não está entre nós.

A outra foto é em Belém no 10 de Junho de 2009 onde já vou pela 20.ª vez consecutiva, levando o Guião da Liga dos Combatentes - Núcleo de Sintra. Será recorde.
Quem está comigo é o General Tomé Pinto da CCAÇ 675 - Binta, onde estive algum tempo, onde estavam também os camaradas Belmiro Tavares e o J.E.R.Oliveira e tantos outros que nos encontramos há vários anos no almoço da Companhia, a Gloriosa 675 - "Que Nunca Cederá" que tem no emblema uma corrente. Sendo eu da ferrugem, não mais os larguei.

- Joaquim Nunes Sequeira - "O Sintra da Guiné"
- Data de Nascimento - 11/03/1944
- 1.º Cabo Canalizador N.º 8/65 C.M.E
- Batalhão de Engenharia 447
- Guiné, 17/12/1965 a 22/11/1967

Segue em anexo foto actual e mais duas da Guiné. Logo que tenha oportunidade mando a primeira história da praxe e depois irão mais, seguindo mais ou menos as voltas que dei pela Guiné.

Passagem por: Pelundo, Nhacra, Mansoa, Cutia, Mansabá, K3, Farim, Binta, Lamel, Jumbembem, Canjambari, Bambadinca, Cuntima, Bafatá, Nova Lamego, São João, Bolama, Jabadá, Tite, Enxudé, Fulacunda, Ilha das Galinhas, Ilha das Cobras, Nova Sintra, Olossato, e Bissorã...

Por agora é tudo, até sempre.
Um abraço Amigo

Antes de terminar, não sei qual o meu número de Tabamqueiro se antes, se depois do 600.
Antecipadamente um obrigado por me aceitarem a fazer parte da Familia mais Nummmmmmmmerosa de PORTUGAL.

O SINTRA DA GUINÉ
1.º CABO Nº 8/65
BENG 447

Nova Sintra > Bagabaga

S. João, 1966


2. Comentário de CV:

Caro Sintra da Guiné, bem-vindo à Tabanca Grande.
Deste-me cá uma trabalheira para decifrar a tua mensagem que nem te conto. Eram estrelas por tudo quanto era sítio e o texto todo misturado. Para a próxima escreve a mensagem de dia, evitas assim as "estrelas", e confere se o que escreveste está perceptível. Desta vez desenrasquei-me.

Desculpa por ter brincado agora mesmo contigo, precisas, talvez, de um pouco mais de treino.

Já vi que tens bons amigos, a perceber pela amostra. O JERO e o Belmiro Tavares são nossos amigos particulares e tertulianos activos. Não tenho o prazer de conhecer pessoalmente o senhor General Tomé Pinto, mas o seu passado fala por si.

Para os nossos leitores perceberem a tua introdução, vou fazer um link para o teu primeiro poste* já publicado e apresentar de novo as fotos que referes.



Belém, 10 de Junho de 2009 > Joaquim Nunes Sequeira, porta-bandeira do Núcleo de Sintra da Ligados Combatentes, falando com o Gen Tomé Pinto.

Caro Sequeira, estás então apresentado à tertúlia.
Quando quiseres envia as tuas fotos, com as legendas à parte, porque as que enviaste traziam umas etiquetas que tive de retirar pois não são muito funcionais em termos de edição. Podes dar um número a cada foto, e à parte, escreves as respectivas legendas.

Recebe um abraço de boas-vindas em nome da tertúlia e dos editores.
 O teu camarada e novo amigo
Carlos Vinhal
____________

Nota do editor:

(*) Vd. poste de 30 de Dezembro de 2012 > Guiné 63/74 - P10881: O nosso livro de visitas (154): Joaquim Nunes Sequeira, ex-combatente da Guiné

Vd. último poste da série de 4 de Março de 2013 > Guiné 63/74 - P11192: Tabanca Grande (388): Fernando Macedo, ex-1.º Cabo Apontador de Artilharia Pesada do 5.º Pel Art (Cabedu, 1971/72)

Guiné 63/74 - P11215: Blogpoesia (327): In Memoriam: A professora de Samba Culo, morta em 7/7/1967, de Kalash na mão (A. Marques Lopes)



Guiné-Bissau > AD - Acção para o Desenvolvimento >  O orgulho de saber escrever > Foi "foto da semana" na página oficial desta ONG >  Data de Publicação > 7 de Fevereiro de 2010; Data da foto > 20 de Maio de 2008; Palavras-chave > Alfabetização.

Legenda: "É com muito orgulho que Bissam Galissa escreve o seu nome, materializando o sonho de toda a sua vida: ser alguém na sociedade, saber assinar e concitar o respeito de todos os membros da sua comunidade. No passado ela era obrigada a colocar a sua impressão digital em documentos e cartas, o que lhe provocava um grande mal-estar social no relacionamento com as outras pessoas. Hoje, ela sabe que tem todo o respeito do marido e dos filhos porque, como eles sabe ler uma carta sem ajuda de outros, não precisando de partilhar assuntos pessoais com mais ninguém e fazendo as próprias contas da sua actividade económica, a horticultura".

Foto: © AD - Acção para o Desenvolvimento  (2010). Todos os direitos reservados



1. Amigos e camaradas: 

Hoje faz anos o grã-tabanqueiro, da primeira hora,  A. Marques Lopes. É, além disso, dia internacional da mulher. Temos aqui falado, embora com discrição, sobre o papel da mulher, na Guiné e na nossa terra, no tempo da guerra do ultramar, para uns, guerra colonial para outros ou de libertação, para terceiros (1961/74). Houve mulheres que lutaram e morreram nesta guerra. Por danos colaterais ou de armas na mão. Em geral, em missões nobres, como as da saúde e da educação. No nosso caso, não podemos deixar de evocar hoje o papel pioneiro das nossas camaradas enfermeiras paraquedistas, para quem temos uma dívida  de gratidão.  (Sem esquecer as outras, que ficaram na nossa retaguarda). No caso do PAIGC, não podemos deixar de lembrar aquelas que  foram não só enfermeiras, como também professoras e até combatentes. 

Lembrei-me hoje da história da professora de Samba Culo. Essa história comoveu-me, na altura.  O nosso amigo e camarada A. Marques Lopes em 7 de Julho de 1967, estava no sítio errado, em Samba Culo (*). Tal como a jovem professora, que morreu, aos 18 anos. Ou talvez não: cada um estava, na hora e no sítio que lhe foram predestinados pela História.  A morte da professora marcou-o, ao Marques Lopes,  para o resto da vida. Em 2006 ele voltou lá, a Samba Culo, na margem esquerda do Rio Canjambari,  para fazer contas com os fantasmas do passado. É uma história de sangue e lágrimas. É sobretudo reveladora da grandeza de alma de um português, ex-alferes miliciano da CART 1690, sediada em Geba

No 9º aniversário do nosso blogue, esta história  está entre as melhores que já aqui publicamos, ma I Série, mas que a grande maioria dos nossos leitores, por ter chegado mais tarde,  nunca a leu. Vou hoje republicá-la, mantendo o seu conteúdo mas modificando-lhe a forma. Em homenagem a dois grandes  seres humanos, um, felizmente ainda vivo, o nosso camarada A. Marques Lopes;  e outro, uma mulher, guineense, que morreu anónima, na luta por um ideal, a professora de Samba Culo. (LG).


2. A professor de Samba Culo (**)



por A. Marques Lopes  [, foto à esquerda, Geba, 1967]

Ali estava ela, jovem e bela 
como a conheci há trinta anos,
mas agora com um olhar calmo 
e um sorriso nos lábios,
vi-a na expectativa do meu abraço.
E abracei-a... e chorei.

Professora, este jovem é o Cinco, 
que me trouxe de jeep até aqui,
e este é o Blétch Intéte, 
filho da siguê (i) dos balantas de Barro.
O outro teu patrício, homem-grande, é o Cacuto Seidi, 
chefe da tabanca de Barro.
Foi ele que me disse que o Blétch Intéte tem irã (ii)
e que só ele podia fazer com que eu te encontrasse.

A minha chegada aqui, há trinta anos, foi muito diferente, 
como deves calcular,
e não me refiro, evidentemente, 
às razões de cada uma das viagens.
Desta vez, assim que pisei o aeroporto Osvaldo Vieira,
tive de levar as mãos ao peito 
para que o coração não me abandonasse.
Por mais esforços, por mais conversas apaziguadoras,
durante as quatro horas que durou a viagem,
não consegui acalmá-lo 
nem convencê-lo de que era preciso dominar a ansiedade 
e moderar os desejos de ti.
Perdido, cego de alegria e paixão, 
chegara a hora da realização do sonho de vários anos,
depois de desvanecidos todos os fantasmas, é claro,
porque, quando saí daqui a primeira vez, 
evacuado para o hospital,
este coração estava enraivecido com vocês todos,
que me tinham ferido e matado amigos meus. 

Passados nove meses, aqui voltei, 
para continuar na guerra, é verdade,
ainda confuso mas já sem ódio 
e desejoso de entender o que se passava.
Foi nessa minha fase, Professora, que nos conhecemos,
quando dei contigo na tua escola de Samba Culo, 
naquela manhã de 7 de Julho (iii).

Da segunda vez que abandonei a Guiné e deixei a guerra,
a minha vontade e empenho foi esquecê-la,
varrer-vos a todos da minha memória,
lavar as marcas do sangue dos meus amigos, 
do meu próprio, 
e também do vosso,
banir o medo e o cansaço que se me entranharam na alma
ao percorrer as matas deste chão
que, agora, vê lá!, reguei com lágrimas 
de alegria e de saudade consolada.

Para aqui chegar, frequentei bares e prostitutas,
acumulei sessões contínuas no Olímpia (iv),
fui estudante mas nunca acabei cursos,
percorri a Europa: 
estive em Paris, no Quartier Latin das minhas leituras;
Londres, vi a Royal Guard e a rainha;
Roma, não vi o Papa porque estava de férias em Castelgandolfo;
e vê lá que me atrevi a passar a cortina de ferro, 
em Praga, 
Moscovo
— onde namorei uma soviética na Praça Vermelha, 
a tchetchena Aniuska — ,
Leninegrado e Kiev; 
fui activista sindical e militante político,
participei em primeiros de Maio,
fiz trabalhos clandestinos
e levei porrada da polícia,
dormi em esquadras,
casei-me, fiz filhos e apanhei bebedeiras,
bati nos filhos e descasei-me,
conheci muitas mulheres,
fiz amor por todo o lado,
levei muitas negas e passei noites de solidão,
dormi em bancos de jardim e debaixo de árvores,
mas nunca te esqueci,
não houve prazer-anfetamina 
que cauterizasse esta memória em carne viva
nem bebida que a afogasse;
cansei-me da vida,
como me cansara antes para não morrer,
e pensei em matar-me.
Mas, olha, não consegui, 
não por causa de Deus,
pois nesse período nunca fui à missa 
e nunca me confessei;
não o fiz porque tinha começado a amar-te
e não queria morrer sem voltar a ver-te, 
sem deixar de to dizer.

Está a ficar noite e tenho três horas para chegar a Bissau.
— Cinq, prépare le jeep, 
nous en allons tout de suite! (v)
Sabes, professora, 
porque é que o meu condutor se chama Cinco?
Nasceu no dia 5 de Maio
e é o quinto filho de sua mãe, 
que decidiu dar-lhe esse nome tão significativo.
Não, não te preocupes 
que ele não percebeu nada da nossa conversa,
além do crioulo só sabe francês,
pois frequentou apenas uma escola em Dakar.
É que, professora, nasceu há 23 anos,
muito depois daquele dia 
em que tive de te abrir o ventre com uma rajada de G3
por te ver empunhar a kalash 
que tinhas pendurada no quadro da escola.
Ele não estava aqui entre os teus meninos.
Se tivesse estado, 
saberia falar e escrever português, com certeza.
Sei que foste uma boa professora.
Vi que escrevias no quadro as palavras 
com o desenho correspondente
para os teus alunos identificarem bem em português 
os objectos do seu dia-a-dia.
Vi os livros por onde aprendiam a ler,
vi os cadernos de redacção e de cópias.
Está descansada, 
não matei nenhum deles, garanto-te.
Devem estar por aí, cidadãos do teu país.

Tenho de partir, de voltar a Portugal.
Gostei muito de falar contigo, 
tinha mesmo necessidade de o fazer,
já que, naquele dia 
em que nos encontrámos pela primeira vez,
só eu te disse “firma lá!”
e tu não me disseste nada.
Percebo que nem me quisesses ouvir...
E nunca mais dormi descansado até agora.
Quero pedir-te uma última coisa,
que desculpes aquele meu soldado 
que tentou violar-te quando estavas agonizante.
Conseguiste ver ainda que não o deixei fazer isso.
Perdoa-lhe, era bom rapaz,
um camponês minhoto que para aqui foi lançado
e, sabes, é fácil perder a cabeça 
numa guerra de inimigos fabricados.
Talvez o encontres por aí, 
o teu camarada Gazela matou-o em Jobel
e o corpo dele por cá ficou.
Deve andar, como tu, 
no meio desta floresta do Óio.
Fala com ele agora.
___________

Notas de AML

(i) Feiticeira tribal

(ii)  Irã, entre os balantas, que são animistas, é qualquer ser da natureza, árvore ou animal, ou qualquer objecto a que é atribuído poder mágico. «Tem irã» significa ter poder sobrenatural que é preciso respeitar e temer.

(iii)  vd. I Série, poste de A. Marques Lopes, de 7 de Junho de 2005 > Guiné 69/71 - XLIX: Samba Culo II :

" (...) o que mais me impressionou nesta operação foi o seguinte: Samba Culo tinha uma escola; quando lá chegámos, vi escrito no quadro preto, em perfeito português: "Um vaso de flores". Tinha desenhado, a giz, por baixo, um vaso de flores.E o que nunca mais esquecerei na minha vida: quando atacámos a base, uma jovem dos seus 18 anos ficou com a barriga aberta por uma rajada de G3. E mais (coisas terríveis desta guerra!): o Bigodes, [....]   (que foi, depois, feito prisioneiro pelo PAIGC e que acabou por morrer em Conakri), quis saltar para cima dela. Tive que lhe bater. Esta é uma situação que nunca me sai do pensamento... e da minha consciência. Tinham muitos livros em português, que era o que estavam a ensinar aos alunos (miúdos ou graúdos?). Trouxemos também (imaginem!) uns paramentos completos de um padre católico! Lembranças que se me pegaram para toda a vida". (...)

(iv) Cinema popular na Rua dos Condes, em Lisboa.

(v) Cinco, prepara o jipe, vamos arrancar de imediato.




Guiné-Bissau > PAIGC > Novembro de 1970 > Uma escola do PAIGC.  Imagem do fotógrafo norueguês Knut Andreasson (com a devida autorização do Nordic Africa Institute, Upsala, Suécia). A fotografia não traz legenda. Tudo indica que tenha sido tirada na Guiné-Conacri, numa base de retaguarda do PAIGC, ou mesmo em Conacri, onde havia desde Março de 1965 uma escola-internato para os filhos dos guerrilheiros.

Trata-se de um estrutura física sólida, que só poderia existir em meio urbano. No interior, nas "regiões libertadas", não havia estruturas, escolas, hospitais ou outros equipamentos sociais, de pedra e cal... Pela simples razão, que eram um alvo fácil para a aviação portuguesa, e porque eram difíceis os caminhos que levavam às bases de retaguarda, tanto no Senegal como na Guiné-Conacri. Além disso, sabemos que eram duríssimas as condições de vida tanto das populações controladas pelo PAIGC como dos próprios guerrilheiros... A propaganda para consumo externo, naturalmente, contava outra história... Tanto a propaganda do PAIGC como das autoridades portuguesas da época.

Fonte: Nordic Africa Institute / Foto: Knut Andreasson (com a devida vénia... e a autorização do NAI)



Guiné > Região do Oio > Carta de Farim (1954) (Escla 1/50 mil) >Detalhe >  Posição relativa de Samba Culo, na margem esquerda do Rio Geba, a sudoeste de Canjambari. 

Infografia: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné.

(...) "6. Op Inquietar II. 4 a 7 de Julho de 1967"

"Situação particular: Há notícias que o IN tem un acampamento em Canjambari, além de outros espalhados pela mata do Óio. Tem-se revelado durante operações realizadas e implantado engenhos explosivos nos itinerários.

"Missão: Executar uma acção em força sobre o acampanento IN de Canjambari em coordenação com forças do AGRP 1976.

"Força executante: Dest A - CCAÇ 1685; 1 Gr Comb CART 1690; 1 Secção CMIL 3; Dest B - CART 1689: 1PEL.(-) /CMIL 3; Dest C - 1 PEL EREC 1578.

"Desenrolara da acção:


05JUL67

Pelas 00H00 iniciaram o movimento em direcção a Samba Culo, seguindo o itinerário Banjara-Gendo-Tambicó-Samba Culo. Pelas 07H00 atingiram Gendo. Um pouco à frente desta antiga tabanca, pelas 08H00 foi detectado um grupo IN o qual tentaram cercar e capturar, só não o conseguindo por alguns elementos da Milícia na testa da coluna, que não entenderam a manobra, terem aberto fogo, pondo-os em fuga.

Entretanto foram avistadas 2 casas de mato, que foram destruídas bem como diversos utensílios domésticos. Retomado a progressão e cerca das 11HOO foi detectado um núcleo de 10 casas de mato, incluindo uma escola com vinte carteiras, tendo sido totalmente destruídas pelo fogo. Retomado a progressão e ainda perto deste último acampamento, as NT emboscaram um grupo IN não estimado, do qual foi capturado um elemento portador de uma faca de mato.

Reiniciado a progressão, Tambicó (Base de patrulhas) foi atingida às 14H00. Junto a base de patrulhas pelas 14H20, um grupo IN que seguia em coluna por um, detectou as NT abrindo fogo e tendo ferido um Soldado, pondo-se em fuga pela reacção das NT.

Pelas 14H45 saiu um grupo de combate em patrulhamento ao longo do R Canjambari e regressou sem contacto. Pelas 15H20 um grupo IN estimado em 30 a 40 elementos atacou a base de patrulhas com mort 60, LGF, PM e Armas Automáticas, durante 15 minutos sem consequências.

Os T6 que nessa altura sobrevoavam a base de patrulhas para protegerem o heli na evacuação do ferido, fizeram umas rajadas sobre o grupo IN. Nessa altura foi evacuado em HELI para o HM 241 o soldado ferido na acção IN anterior.

Pelas 17H00 saiu um outro grupo de combate para fazer o reconhecimento do itinerário Tambico - Samba Culo. Percorridas apenas algumas dezenas de metros, foi emboscado por um grupo IN de cerca de 60 elementos armados de mort 60, LGF, PM e Armas Automáticas, tendo ferido 2 soldados, evacuados mais tarde para o HM 241, por heli.

Juntamente com a emboscada o IN flagelou a base de patrulhas com 2 granadas de mort 60. Perante a reacção das NT o IN furtou-se ao contacto com baixas prováveis.

06JUL67

Cerca das 11H20, orientado pelo PCV iniciou-se a progressão em direcção ao acampamento de Samba Culo, tendo atingido pelas 15H20. O IN, que estava instalado do lado Sul do acampamento e que tinha reagido fortemente impedindo o Dest B de entrar no acampamento, reagiu à manobra de envolvimento e assalto ao acampamento com Mort 60 e PM, tendo ferido dois soldados, evacuados posteriormente para o HM 241 por heli.

O IN, apercebendo-se do cerco que se preparava, furtou-se ao contacto tendo as NT assaltado e destruído o acampamento composto por 30 casas de mato, sendo algumas cobertas a zinco. Foram destruídos também alguns utensílios domésticos.

Já no regresso o guia conduziu as NT a uma arrecadação de material, que o Dest B conquistou tendo capturado todo o armamento lá existente. Capturado o material foi destruída a arrecadação ouvindo-se então fortes rebentamentos de cartuchos e granadas que se prolongaram por 50 minutos.

Retomado a progressão de regresso para Banjara as NT por alturas de Farim 8H8-44, accionaram uma armadilha tendo ficado ferido um elemento do Dest B.

07JUL67

As NT atingiram Banjara pelas 05H00 após o que regressaram a quartéis. A operação terminou às l6H530.

"Resultados obtidos:

-Foi capturado armamento IN;
-Foram mortos, feridos e feitos prisioneiros elementos IN;
-Foi destruído diverso material e utensílios doméstico;
-Foram destruídos cerca de 10.000 munições e diverso material explosivo algum do qual se supõe encontrar-se enterrado, dado a violência das detonações". (...)


 ____________

Notas do editor:

(*) Vd. I Série, 29 de novembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXX: A professora de Samba Culo (A. Marques Lopes)

Guiné 63/74 - P11214: Blogpoesia (326): No dia Internacional da Mulher, que deveria ser todos os dias... um poema (António Eduardo Ferreira)



1. Em mensagem de hoje, 8 de Março de 2013, o nosso camarada António Eduardo Ferreira (ex-1.º Cabo Condutor Auto da CART 3493/BART 3873, MansamboFá Mandinga e Bissau, 1972/74) enviou-nos este poema subordinado à data hoje se comemora, o Dia Internacional da Mulher:


O dia da mulher deveria ser todos os dias, mas como isso por enquanto ainda não é possível que haja pelo menos um...

Ela era assim,
Mulher que soube sofrer em silêncio,
Mulher que sabia ouvir,
Escutava, mesmo que fosse apenas ruído…
Nunca dizia não, quando alguém necessitava de ajuda,
Exigente, apenas para consigo,
Sabia sorrir, mesmo quando o seu coração chorava;
Na maternidade com o filho, viu o esposo partir,
Enviava correspondência sem lamentos…
Mulher que não sabia como era África.
Mulher que de guerra pouco ouvia falar,
Tinham medo os que dela falavam…
Mulher que sofreu com a ausência,
Mulher a quem o filho perguntava pelo pai
E a resposta tantas vezes era uma lágrima apenas.
Por favor, guerra nunca mais,
As mulheres não merecem a guerra.

António Eduardo Ferreira
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 8 de Março de 2013 > Guiné 63/74 - P11212: Blogpoesia (325): No dia Internacional da Mulher, um poema dedicado à minha irmã, à mulher africana e a todas as mulheres do mundo (Cherno Baldé)